i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Aniversário de Curitiba

Celso Grebogi: o cientista internacional que veio do Boqueirão

Físico mundialmente renomado, Grebogi já foi indicado ao Prêmio Nobel, mas viveu sua infância numa época em que a Marechal Floriano nem era pavimentada

  • PorDanielle Blaskievicz
  • Especial para a Gazeta do Povo
  • 24/03/2017 16:34
Grebogi (à dir.) e o pesquisador Peter Higgs, vencedor do Nobel de Física, na Universidade de Aberdeen. | /Arquivo pessoal
Grebogi (à dir.) e o pesquisador Peter Higgs, vencedor do Nobel de Física, na Universidade de Aberdeen.| Foto: /Arquivo pessoal

Quando saí, Curitiba tinha cerca de 300 mil habitantes. Era a Avenida João Pessoa (antigo nome da Av. Luiz Xavier) e a Rua XV. Nem a Marechal Deodoro tinha se desenvolvido

Celso Grebogi Físico, professor da Universidade de Aberdeen (Escócia)

Descendente de imigrantes poloneses, nascido e criado nas “terras do Boqueirão”, em 1947, o curitibano Celso Grebogi, 69 anos, é um dos físicos mais conceituados na comunidade acadêmica internacional, o que lhe rendeu a indicação ao Prêmio Nobel em 2016 e a citação na Thomson Reuters Citation Laureates – ranking que indica os pesquisadores que mais exercem influência na comunidade científica. Mas os títulos com nomes pomposos não apagam da memória do cientista sua história humilde e as dificuldades enfrentadas pela família naquelas longínquas paragens da Curitiba da década de 50/60.

Celso Grebogi (de pé), ao lado do irmão Claudio, no moinho de fubá da família em Curitiba nos anos 50. | Arquivo pessoal

Disciplina acadêmica

Os pais de Celso Grebogi sabiam apenas ler e escrever, mas sua mãe, Maria Chrusciel Grebogi, fez questão de garantir a educação dos quatro filhos. A vida estudantil de Grebogi começou na Escola Municipal Nivaldo Braga (na época “Grupo Escolar Nivaldo Braga”), onde fez o antigo primário, equivalente hoje ao ensino fundamental. Mas foi no Colégio Erasto Gaertner – fundado por imigrantes alemães que se instalaram em Curitiba –, onde passou a estudar a partir da 5.ª série, que descobriu seu interesse pelas ciências exatas e começou a trilhar os caminhos da pesquisa científica. “O Erasto foi fundamental na minha formação, por algumas razões: a disciplina, o nível dos professores e o grau de exigência deles. Durante toda a minha vida de aprendizagem, o Erasto Gaertner foi o mais marcante, mesmo depois da universidade e dos cursos de pós-graduação”, relembra, ressaltando a base sólida de conhecimentos que adquiriu para o futuro.

Antes de prestar vestibular, matriculou-se em um cursinho, recém-criado na época: o Dom Bosco, que funcionava no Edifício Asa, na Voluntários da Pátria. Passou em primeiro lugar no curso de Engenharia Química na Universidade Federal do Paraná (UFPR), em 1966.

O Boqueirão era tão longe e de tão difícil acesso que, ao se referir à região central de Curitiba, Grebogi fala ainda hoje em “a cidade”, como se fosse um outro lugar. E isso que a família estava em um local privilegiado, do ponto de vista atual: na Avenida Marechal Floriano Peixoto, 9.592, quase em frente ao quartel.

“Fui o primeiro de quatro filhos. Nasci em casa, com a ajuda de uma tia. Meu parto foi complicado e, naquela época, não existia nada no Boqueirão, somente o quartel. Estávamos distantes de tudo e o meu pai foi correndo até ‘a cidade’ para buscar a ajuda de um médico”, relata.

A dificuldade de acesso a hospitais, as unidades de saúde ainda inexistentes, faziam com que tudo se resolvesse de forma caseira, muitas delas com base em uma enciclopédia do corpo humano que pertencia a seu pai, e sempre contando com a solidariedade dos vizinhos e parentes que moravam todos perto. ”Era o mundo do Boqueirão. Curitiba era muito distante. A Marechal não era nem pavimentada”, recorda.

Desde 2005, Grebogi mora na Escócia, mas vem todos os anos ao Brasil para rever os irmãos. “Quando estou em Curitiba, o mais importante é reunir os quatro irmãos”, destaca, referindo-se aos Grebogi que ficaram na cidade: Claudio, Nelson e Valdir.

“Quando saí, Curitiba tinha cerca de 300 mil habitantes. Era a Avenida João Pessoa (antigo nome da Avenida Luiz Xavier) e a Rua XV. Nem a Marechal Deodoro tinha se desenvolvido. A gente saía da aula, passava no Bar Mignon, pegava um sanduíche e ia embora”, relata. Hoje, a população da cidade chega perto de 2 milhões de pessoas. “Eu só não me perco porque, pelo menos 2 ou 3 vezes por ano, eu vou à cidade”, afirma.

Celso Grebogi (em pé), ao lado do irmão Claudio, no moinho de fubá da família, em Curitiba, nos anos 50.Arquivo pessoal

Currículo

Referência mundial no estudo de sistemas dinâmicos não-lineares, Celso Grebogi integrou a equipe indicada ao Prêmio Nobel de Física no ano passado, além de estar entre os citados no 2016 Thomson Reuters Citation Laureates, ranking que indica os pesquisadores que mais exercem influência na comunidade científica.

Professor da Universidade de Aberdeen, na Escócia, onde ocupa a cátedra Sixth Century Chair em Sistemas Complexos e Não-Lineares, Grebogy é professor honoris causa (honorário) nas universidades das mais conceituadas do mundo e dono de um extenso currículo, com mais de 50 páginas que relatam suas pesquisas, trabalhos e locais onde lecionou.

O pesquisador é graduado em Engenharia Química pela UFPR, mestre em Física pela PUC do Rio, mestre e doutor em Física pela Universidade de Maryland (EUA) e pós-doutor em Física, especializado em Teoria de Sistemas Dinâmicos, pela Universidade da Califórnia, em Berkeley (EUA).

Especial Aniversário de Curitiba

Para comemorar os 324 anos de Curitiba, a Gazeta do Povo publica uma série especial com o perfil de curitibanos célebres que representam a nova cara da cidade. Até dia 29 de março, um novo personagem falará diariamente sobre sua relação com Curitiba.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.