i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Aniversário de Curitiba

Ídolo nos campos do Brasil e do mundo, Alex nunca se esqueceu de Curitiba

Idolatrado pelos turcos e pelas torcidas do Palmeiras e do Cruzeiro, foi no Coritiba que o craque quis encerrar a carreira e em Curitiba que escolheu viver

  • PorDanielle Blaskievicz
  • Especial para a Gazeta do Povo
  • 26/03/2017 18:00
Alex no gramado do Couto Pereira: jogando pelo Coritiba, conheceu todos os cantos da cidade. | Brunno Covello/Gazeta do Povo
Alex no gramado do Couto Pereira: jogando pelo Coritiba, conheceu todos os cantos da cidade.| Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo

Minha paixão pelo Parque Barigui segue a mesma. Ali treinei, fiz churrasco, samba, namorei. O parque é mágico pra mim

Alex Ex-jogador de futebol

Se em Curitiba ele dispensa o sobrenome para apresentações, na Turquia o jogador Alex é reverenciado como autoridade. Um dos grandes ídolos do Coritiba, time que o revelou e onde encerrou sua carreira nos gramados, o meia passou por grandes clubes brasileiros, como o Palmeiras e o Cruzeiro, mas foi do outro lado do mundo que viveu seu momento áureo, com direito à estátua em tamanho real em frente ao estádio do Fenerbahçe, da Turquia, onde atuou por oito anos.

Identidade cultural

Alex afirma que, mesmo tendo morado por muitos anos longe da cidade, Curitiba é o seu lugar, onde está sua vida, sua identidade. Morou em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e em Istambul, na Turquia. Mas era na capital paranaense que passava as férias. “Nunca cogitei viver em outra cidade”, salienta o jogador, que agora vive com a esposa, Daiane, e os três filhos, no bairro Cascatinha.

Segundo ele, as oportunidades que o futebol lhe deu foram importantes para valorizar a sua cidade e o seu país. “Viver em outros locais é uma ótima maneira de valorizar o que temos. Ver de longe nossa cidade, nossa cultura e nossas raízes”.

No final de 2014, Alex se despediu dos gramados numa partida do Coritiba contra o Bahia, válida pela última rodada do Campeonato Brasileiro. Mas continua ativo no futebol, só que agora como comentarista esportivo da ESPN.

Depois de deixar o Fenerbahçe, Alex voltou a Curitiba. Sentia saudades da família, da cidade, dos amigos e de passear nos parques da cidade, em especial o Parque Barigui, onde costuma ir sempre que tem tempo. “Minha paixão pelo Parque Barigui segue a mesma. Ali treinei, fiz churrasco, samba, namorei. O parque é mágico pra mim”, destaca.

O espaço, inclusive, foi o local onde o correspondente do jornal turco “Hürriyet”, Süleyman Arat, fez plantão por dias a fio na tentativa de encontrar o craque, recém-saído do futebol turco, para uma “entrevista casual”. O relato faz parte das muitas histórias que integram “Alex, a Biografia”, escrita pelo jornalista Marcos Eduardo Neves.

Alex cresceu no Jardim Campo Alto, em Colombo, Região Metropolitana de Curitiba, mas devido à falta de infraestrutura no município vizinho, em 1977, sua mãe, Leni Vieira dos Santos, foi dar à luz ao bebê de pouco mais de 3 quilos na Maternidade Santa Brígida, em Curitiba.

Filho mais velho de uma cozinheira e de um pintor de paredes, Alex cresceu ouvindo que levava jeito para o futebol e sabia que se a história de vida da família tivesse de mudar por causa do esporte, seria através dele.

Começou a treinar futebol de salão na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB), no Tarumã, e estudava pela manhã no Colégio Estadual Cecília Meireles, no Bairro Alto. Para ir para escola, precisava sair de casa, ainda em Colombo, muito cedo. No trajeto, percebeu um campo de futebol onde os meninos jogavam bola pela manhã. Por um tempo resistiu, mas depois virou frequentador do local e sumiu da escola. “Até os 9 anos, eu ia para Curitiba esporadicamente. Quando passei a jogar no Coritiba, comecei a andar por todos os cantos da cidade para treinar e jogar”, afirma.

Especial Aniversário de Curitiba

Para comemorar os 324 anos de Curitiba, a Gazeta do Povo publica uma série especial com o perfil de curitibanos célebres que representam a nova cara da cidade. Até dia 29 de março, um novo personagem falará diariamente sobre sua relação com Curitiba.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.