i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
História

Guerras e revoltas: veja as principais batalhas em solo paranaense

Em alguns casos, o estado teve participação fundamental no cenário brasileiro

  • PorAnderson Gonçalves, especial para a Gazeta do Povo
  • 21/11/2011 22:02
Coronéis-fazendeiros, na região do Contestado, que estavam a favor do governo | Fotos: Divulgação / Nilson Thomé
Coronéis-fazendeiros, na região do Contestado, que estavam a favor do governo| Foto: Fotos: Divulgação / Nilson Thomé
 |

Confira outros conteúdos do projeto Retratos Paraná e acesse a base de dados sobre os municípios do estado.

Clique aqui.

  • Civis contratados foram armados para defender a Serraria Lumber que existia na região

Da compra de um pente à luta pelo direito à terra, diversos motivos levaram os paranaenses a se insurgir e iniciar vários conflitos. Em alguns casos, o estado teve participação fundamental para o Brasil, como no episódio conhecido como o Cerco da Lapa e na formação daquela que ficaria conhecida como a Coluna Prestes.

Saiba quais foram os principais movimentos revoltosos registrados no Paraná:

Cerco da Lapa

O Cerco da Lapa ocorreu em 1894 durante a Revolução Federalista, conflito deflagrado no Sul do Brasil logo após a Proclamação da República. Durante 26 dias, 639 soldados das tropas republicanas resistiram bravamente às forças federalistas, formadas por cerca de 3 mil combatentes. A cidade da Lapa foi palco de uma sangrenta batalha que deu ao chefe da República, Marechal Floriano Peixoto, tempo suficiente para reunir forças e deter as tropas federalistas.

Guerra do Contestado

Entre outubro de 1912 e agosto de 1916, o Paraná foi território de um conflito armado entre a população cabocla e os governos estadual e federal. Em uma região rica em erva mate e madeira, disputada pelos estados do Paraná e Santa Catarina, camponeses empobrecidos e ex-trabalhadores da estrada de ferro se revoltaram sob a liderança do monge José Maria. Com a forte repressão das autoridades, o conflito superou a Guerra de Canudos em duração e no número de mortes.

Guerra do Porecatu

Também conhecida como a Revolta do Quebra Milho, a Guerra de Porecatu ocorreu no Vale do Rio Paranapanema entre o fim da década de 1940 e início da de 50. Posseiros que ocupavam a região da Vila Progresso, no então município de Porecatu, se revoltaram quando o governo começou a distribuir documentos das terras a grandes fazendeiros e resistiram aos mandados de reintegração de posse. Com muitos mortos, o conflito foi encerrado em 1951 após ação policial.

Guerra do Pente

De uma discussão motivada pela compra de um pente nasceu uma das maiores revoltas populares registradas em Curitiba. Era dezembro de 1959 quando um subtenente da Polícia Militar comprou um pente e exigiu o comprovante de um comerciante libanês para participar de uma promoção do governo do estado. Após uma discussão o comerciante fraturou a perna do policial, o que deflagrou uma onda de destruição no comércio e em órgãos públicos. Foi necessária a intervenção do Exército, que sufocou a revolta no terceiro dia.

Revolta dos Colonos

Em outubro de 1957, um levante de colonos e posseiros armados deu origem a um dos episódios mais marcantes da história do Sudoeste do Paraná. Como forma de repúdio aos problemas de colonização na região, grupos tomaram várias cidades, expulsaram companhias grileiras e seus jagunços, exigindo que novas autoridades assumissem o comando. O ápice da revolta aconteceu quando cerca de 6 mil posseiros tomaram a cidade de Francisco Beltrão. O conflito terminou com a retirada das companhias pelo governo.

Revolta do Vintém

Quando o governo do Paraná instituiu um imposto sobre as rendas, em 1883, comerciantes de Curitiba se revoltaram e entraram em conflito com militares. A fim de protestar contra o chamado "imposto do vintém", o comércio fechou suas portas e iniciou uma série de comícios nas ruas. No dia 30 de março, a população promove atos de vandalismo contra propriedades governamentais, obrigando as forças militares a intervir. O saldo foi de um morto, vários feridos e o imposto mantido.

Revolta do Tenentismo

Descontentes com a nomeação de civis para as pastas militares, lideranças das forças armadas deflagraram em 1924 um movimento de contestação que ficou conhecido como Revolta do Tenentismo. O Paraná teve papel fundamental no movimento, quando revolucionários rumaram para a região Oeste em busca de um lugar para ficar. No município de Catanduvas os revoltosos esperaram para se juntar ao movimento organizado por Luís Carlos Prestes. O grupo foi derrotado, mas seus líderes seguiram à região de Foz do Iguaçu. Lá foi formada à Coluna Prestes, que avançou rumo ao Nordeste do país.

Você conhece outro conflito registrado em terras paranaenses? Deixe seu relato no formulário abaixo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.