i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
crimes contra o patrimônio

Investigação no PR ganha sistema que alia retrato falado com banco de imagens de suspeitos

O programa, chamado de CaseBoard, foi cedido, por tempo indeterminado, pela empresa 4sec Global, sediada em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, à Divisão de Crimes Contra o Patrimônio em janeiro

  • PorDiego Ribeiro
  • 13/06/2016 17:50
 | Divulgação/Sesp
| Foto: Divulgação/Sesp

Desde o começo deste ano, as unidades da Polícia Civil que investigam crimes contra o patrimônio (Delegacia de Furtos e Roubos; Furtos e Roubos de Veículos; Estelionato; e Desvio de Cargas) em Curitiba contam com uma ferramenta nova. Ela parece muito simples em tempos digitais, mas até então nenhuma polícia do estado possuía. É um software no melhor estilo CSI, capaz de ligar a composição de um retrato falado computadorizado ao banco de dados de pessoas registradas pela Polícia Civil ou pelo Departamento de Execução Penal (Depen) do Paraná. As duas instituições têm bancos de imagens que, somados, passam de 78 mil fotografias de suspeitos.

Vídeo: Tecnologia contra o crime

O programa, chamado de CaseBoard, foi cedido, por tempo indeterminado, pela empresa 4sec Global, sediada em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, à Divisão de Crimes Contra o Patrimônio em janeiro. De acordo com o delegado titular da Divisão, Francisco Caricati, a Celepar tem analisado a possibilidade de implantação na Polícia Civil inteira.

O novo sistema permite, assim que o retrato falado estiver pronto, um início de investigação mais robusto, principalmente, se, nos casos de furtos e roubos, câmeras de baixa qualidade não colaborarem.

“Havia uma lacuna na polícia com falta de boas filmagens. Precisávamos de um meio para corrigir isso. O programa capta rostos parecidos. É novo, vem sendo aperfeiçoado pela empresa, que tem auxiliado a polícia na solução dos crimes”, afirmou o delegado Caricati.

Por isso, a descrição dos suspeitos feita pelas vítimas tem sido considerada fundamental para o começo das investigações. O motivo é que, assim que o retrato falado é feito no computador, o investigador o coloca no CaseBoard e escolhe a taxa de semelhança entre 0% e 100% com fotos de suspeitos.

É possível buscar, por exemplo, imagens de pessoas com 70% de semelhança com o retrato, ferramenta que ajuda muito para diminuir o número de suspeitos por características físicas. Logo após o resultado da busca, verifica-se também se o histórico dos suspeitos corresponde ao tipo de crime que está sendo investigado. Mas nem sempre a semelhança física é suficiente para se chegar ao criminoso. O restante da investigação, que envolve, por exemplo, o reconhecimento pessoal das vítimas, precisará corroborar este elemento.

O trabalho feito pelas unidades que apuram os crimes contra o patrimônio já teve alguns resultados. Não há estatística ainda sobre detidos em razão da nova ferramenta. Mas, por exemplo, dois dos quatro autores do assalto à uma rede de hamburguerias famosa em Curitiba e outras cidades, no bairro Cabral, em abril, foram presos somente após ter o retrato falado feito e comparado com fotos de suspeitos que estavam no banco de dados.

Importância do retrato falado

Atualmente, três investigadores estão capacitados para usar o sistema de retrato falado de computador da Polícia Civil, o Hórus. Esse programa, que está agora integrado ao CaseBoard, foi disponibilizado pela Polícia Federal há alguns anos. A investigadora da Delegacia de Furtos e Roubos, Daiane Zanon, é uma das especialistas em retrato falado. De acordo com ela, os desenhos podem levar entre duas e quatro horas, dependendo da memória da vítima ou da testemunha.

“A vítima tem que estar tranquila fazendo o retrato falado. Por isso demora. Mesmo com o momento traumático, ela tem condições de lembrar do rosto. Quanto mais calma na hora, mais qualidade na hora do retrato”, comentou.

A composição de retrato falado por computador é feita com base em centenas de rostos comuns já armazenados. É possível ir modificando cada um deles, incluindo boca, nariz, cabelo, chapéu, aumentando ou diminuindo cada parte do rosto.

Tecnologia contra o crime

Ao estilo CSI, Polícia Civil tem usado software paranaense para tentar localizar suspeitos de furto e roubo.

+ VÍDEOS

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.