i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
direitos dos animais

Justiça de Goiás reduz indenização a ser paga por mulher que bateu em cão até a morte

    • Folhapress
    • 17/02/2016 08:18

    A enfermeira Camilla Correa Alves de Moura Araújo dos Santos teve reduzida a indenização a ser paga pela agressão até a morte de uma cachorra da raça yorkshire, em Formosa, a 288 km de Goiânia, em 2011. Com a reformulação da sentença, o valor foi reduzido de R$ 20 mil para R$ 5 mil.

    A defesa de Camilla apelou da decisão da Justiça sob a alegação que não existem provas que sustentem a condenação por danos morais coletivos e que as gravações postadas na internet não podem estabelecer provas neste sentido.

    Segundo a defesa, a enfermeira teve que mudar de cidade porque seu marido perdeu o emprego semanas depois, o que provocou prejuízos morais e materiais. Além disso, a defesa alega que a ré sofreu ameaças de morte e foi severamente condenada pela opinião pública, imprensa e defensores de animais.

    Outra alegação apresentada pelo advogado é que a indenização representa mais de 13 vezes o salário mensal da ré, que recebe R$ 1.560. De acordo com o advogado de Camilla, “o valor a privaria de seu salário por mais de um ano”.

    O defensor de Camilla também argumentou que ela já foi condenada na 2ª Vara Criminal de Formosa ao pagamento de R$ 2.896. Para a defesa, esta ação civil, também de autoria do Ministério Público de Goiás, implica em duplicidade.

    O desembargador Kisleu Dias Maciel Filho disse que as provas apresentadas são indiscutíveis e suficientes para a condenação por danos morais coletivos.

    Com relação à duplicidade, Filho explicou que sanções pecuniárias impostas em processo criminal não se confundem com o pedido de indenização na esfera cível.

    No entanto, o magistrado entendeu que a quantia fixada pelos danos morais deveria ser reparada parcialmente. Segundo ele, devem ser levados em consideração os princípios de razoabilidade proporcionalidade “para que o valor não se mostre exorbitante nem irrisório”.

    O caso

    A enfermeira Camilla foi filmada batendo em um cão até a morte. As imagens foram feitas por um vizinho e divulgadas na internet, provocando a ira de usuários de redes sociais.

    Na gravação, a enfermeira aparece dando vários chutes e golpes de balde na cabeça do animal na frente da filha de um ano e seis meses.

    Em outra sequência de imagens, que só se tornaram públicas dias depois, o cão aparece morto, jogado no gramado de uma área comum, no mesmo momento em que policiais militares chegavam ao local para averiguar a denúncia de maus-tratos.

    À época, a mulher disse à imprensa que estava “arrependida” após prestar depoimento à Polícia Civil, em Formosa (GO).

    “Foi um fato isolado. Aquele dia eu cheguei em casa nervosa. A cachorrinha tinha feito xixi e cocô em tudo, em cima do ar-condicionado. Não tive noção do que estava fazendo”, falou Camilla.

    A enfermeira também afirmou que ficou com medo das reações inflamadas de usuários de redes sociais, que divulgaram seu retrato, endereço residencial, telefones, CPF e até o nome de sua mãe em mensagens, algumas com ameaças de morte.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.