i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Londrina

Liminar proíbe cobrança por emissão de boletos bancários

De acordo com o Ministério Público, a taxa fere o Código de Defesa do Consumidor

  • PorFernando Araújo - Jornal de Londrina
  • 15/10/2008 14:04

Instituições atingidas pela liminar

Banco SantanderUnibancoBanco CaciqueBanco ItaúcredBanco ItaúcardBanco FininvestBanco Dibens PanamericanoBancoobBanco FinasaBanco PSAItaúbank LeasingFinanceira Itaú CBDLosango Cetelem Marisa LojasCred-21 Omni Cifra Aymoré Negresco BV Financeira Crediparaná FAI Itaú S/A

A Promotoria de Defesa do Consumidor obteve liminar na Justiça proibindo as instituições financeiras de cobrarem pela emissão de boletos bancários em Londrina, no Norte do Paraná. A decisão, da última segunda-feira, é do juiz da 2ª Vara Cível, Luiz Gonzaga Tucunduva de Moura, e impede 25 bancos, financiadoras e lojas de cobrarem pela emissão do documento. O juiz ainda estipulou multa de R$ 100 mil para quem descumprir a ordem. Até está quarta-feira (15), nenhuma das instituições havia apresentado recurso para tentar derrubar a liminar.

Segundo o Ministério Público, a transferência de encargos da emissão dos boletos para os consumidores é ilegal. De acordo com o promotor de Defesa do Consumidor, Miguel Sogaiar, a obrigação das instituições é enviar o boleto gratuitamente. "O consumidor não pode ser cobrado de algo que não lhe diz respeito. Ele firmou um contrato de financiamento com o custo do produto e somente isso", disse.

Um dos argumentos das instituições é que a cobrança é autorizada pelo Banco Central. No entanto, o promotor afirmou que ela está proibida pelo Código de Defesa do Consumidor. "Não vem ao caso se o Banco Central definiu. O código é uma lei federal e se sobrepõe", explicou.

O promotor orienta os consumidores a procurarem a própria instituição ou o Procon para garantirem o benefício da liminar. "É importante comunicar os órgãos de defesa do consumidor, pois existe a multa de R$ 100 mil que pode ser aplicada."A promotoria também diz que os consumidores podem tentar recuperar o valor pago por meio de ações coletivas ou individuais pelo Juizado Especial Cível.

Refinanciamento

O camelô Hélio Branco questiona a cobrança da taxa no financiamento de seu carro por meio de ação movida pelo Procon desde setembro. "É um pouquinho em cada mês, que acaba virando bastante dinheiro", disse. Ele conta que refinanciou seu carro em 12 vezes e notou que o valor da prestação era mais cara do que o definido. "Era para pagar R$ 226 e o boleto vinha com R$ 3,90 a mais. Vi que estava errado e fui reclamar."

Branco diz que procurou a financiadora que se negou a suspender a cobrança. E, por isso, recorreu ao Procon. Agora, com a liminar, ele espera deixar de pagar a taxa e ainda ser ressarcido pelo que já pagou.

A reportagem não conseguiu contato com o coordenador do Procon, Flávio Caetano de Paula.

Qual a sua opinião sobre a suspensão da cobrança do boleto bancário? Deixe seu comentário no formulário abaixo

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.