i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
educação

Mais docentes com curso superior

Índice de professores da educação básica com graduação mais que dobrou entre 2001 e 2010. Mesmo assim, cerca de 25% ainda não passaram por uma universidade

  • PorOsny Tavares
  • 29/11/2011 21:04
 | Gilberto Yamamoto/ Gazeta do Povo
| Foto: Gilberto Yamamoto/ Gazeta do Povo

Expansão

Formação a distância predomina

A melhoria na titulação dos professores brasileiros foi içada por um outro fenômeno educacional recente: a expansão do ensino a distância (EAD) no país. Entre 2000 e 2008, a quantidade de alunos nessa modalidade, em cursos de graduação e pós-graduação lato sensu, cresceu 45.000%, passando de 1.758 para 786.718 matriculados. No mesmo período, o número de cursos reconhecidos pelo Ministério da Educação aumentou de 13 para 1.752, segundo a Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed).

Os cursos relacionados ao magistério se tornaram os mais populares do EAD, e a graduação em Pedagogia é a que registrou o maior número de matrículas desde então. "Os cursos a distância não faziam parte da cultura nacional, mas, como foi implantada a obrigatoriedade de formação superior para os professores, quem mora em municípios sem a presença de faculdades optou por essa modalidade", relaciona Joana Romanowski, professora da pós-graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

A pesquisadora acredita que o EAD representou uma boa solução para complementar a formação dos docentes. "Eram professores com anos de prática em sala de aula e então adquiriram os conceitos para lecionar", aponta.

Ensino on-line

O consultor educacional Renato Casagrande compara o atual panorama dos cursos tradicionais com a educação a distância. Enquanto universidades não conseguem abrir graduações em Pedagogia por falta de alunos, lembra ele, a educação on-line vem ganhando espaço, principalmente pela facilidade com que alcança todos os municípios brasileiros. "O governo elegeu a graduação em Pedagogia como prioridade, por causa da demanda, e a opção vem dando resultados. Mas ainda há um grande caminho pela frente", alerta.

Pagar com trabalho

Casagrande também cita como ação positiva um modelo de financiamento em que o estudante recebe uma bolsa para a faculdade e, em contrapartida, se compromete a trabalhar em escola pública por um período após o término do curso. No Brasil, esse sistema é utilizado pelo Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), do governo federal. Novas regras aprovadas em 2010 permitem que professores da rede pública que utilizaram o financiamento para se formar possam abater a dívida com o próprio trabalho.

  • A quantidade de professores com ensino superior subiu nos últimos dez anos. Veja

A melhoria da educação brasileira na última década foi acompanhada pela evolução do grau de instrução dos professores. Ao longo dos últimos dez anos, a porcentagem de docentes com curso superior completo cresceu em todas as etapas da educação básica. O avanço mais expressivo ocorreu entre os profissionais que lecionam nas séries iniciais do ensino fundamental (da 1.ª à 5.ª série ou do 1.º ao 6.º ano – no ensino de nove anos. Em 2001, menos de um terço desses professores (27%) tinha formação superior. Em 2010, essa porcentagem mais que dobrou, passando para 62,4%. O ensino infantil registrou a segunda evolução mais significativa, passando de 24,7% para 51,8% de graduados no período. Os dados são do Instituto Nacional de Estu­dos e Pesquisas Educa­cionais (Inep) e abrangem escolas públicas e particulares.

O principal motivador para es­­se crescimento foi a Lei de Dire­tri­­zes e Bases da Educação Nacional (LDB), implantada em 1996. O texto legal determinou que todos os professores necessitam ter titulação em Pedagogia ou licenciatura, em substituição ao antigo curso técnico de magistério. Na época da promulgação da LDB, o governo havia definido um prazo de dez anos para que os docentes se adaptassem à norma – o que ainda não ocorreu.

Profissionais ligados à formação de docentes avaliam que, para se adaptar à LDB, o governo priorizou a rapidez e a quantidade em detrimento da qualidade da preparação. Américo Walger, professor do departamento de Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR), entende que a expansão rápida de vagas universitárias em cursos de formação de professores precarizou o ensino. "Nós temos mais professores graduados, mas o nível da formação caiu muito. Os professores não têm culpa. Acabaram sendo vítimas dessa situação", aponta.

Renato Casagrande, consultor educacional e articulista da Gazeta do Povo, percebe as dificuldades de atuação do professor recém-formado. "Os alunos das licenciaturas saem com grandes dificuldades pedagógicas. A carga horária dedicada ao ofício de professor é baixa, o que produz um efeito cascata, com professores reproduzindo uma formação ruim", relaciona.

Deixados para trás

Quatorze anos depois da promulgação da LDB, porém, 26,7% dos professores ainda não têm curso superior. Parte desses profissionais já trabalhava na rede de ensino an­­tes da publicação da lei. Após 1996, as vagas criadas passaram a ser preenchidas necessariamente por profissionais graduados, exceto na educação infantil e nas sé­­ries iniciais do fundamental, que admitiram o curso técnico até 2007.

"Se o professor já estava no sistema quando a lei entrou em vigor, então o problema é do sistema, que precisa oferecer a qualificação ao docente para que ele possa se adequar", defende Joana Roma­nowski, professora da pós-graduação em Educação da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e pesquisadora do grupo de formação de professores da instituição.

Além da existência de professores sem graduação, Joana lembra que ainda há poucos profissionais com licenciatura atuando no Ensino de Jovens e Adultos (EJA) e nos cursos profissionalizantes. "São pessoas que têm somente o conhecimento específico da disciplina, e não o conhecimento de co­­mo ministrar o conteúdo", aponta. A licenciatura é a modalidade de formação superior voltada à formação de docentes. Além de cursar as disciplinas de sua área específica de atuação, o licenciado estuda assuntos relacionados à didática.

Carreira ainda é pouco atrativa

Ser professor ainda é uma escolha pouco comum entre os estudantes universitários brasileiros. Uma pesquisa das fundações Carlos Chagas e Victor Civita realizada em 2010 mostrou que apenas 2% dos estudantes de ensino médio pretendem cursar Pedagogia ou alguma licenciatura. O índice traz uma perspectiva nada animadora para a educação do país, que tem déficit de 710 mil professores e taxa de ociosidade de 55% nos cursos da área, de acordo com o Censo da Educação Superior e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).

O professor Américo Walger, do Departamento de Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR), relata que, mesmo dentro dos cursos de licenciatura, a docência não é o desejo da maior parte dos alunos. "A maioria da turma pretende atuar como pesquisador, e vê no magistério uma espécie de seguro-desemprego. Afinal, a educação – estando bem ou mal – oferece emprego garantido", conta.

A estudante de Ciências Sociais Gabrielle Demozzi, de 23 anos, se declara apaixonada pela sala de aula. Entretanto, por causa das condições de trabalho nas escolas, ela investe em outras opções. "Pretendo fazer mestrado e doutorado para lecionar também em universidades, porque o salário no ensino médio ainda é baixo. Além disso, a carga horária é alta e o professor não é valorizado", avalia.

Para os especialistas em educação, a questão salarial ainda é o principal fator a espantar profissionais, um problema que pouco mudou ao longo dos anos. "O jovem profissional não vê perspectivas de crescimento, e acaba encarando a docência como uma função transitória. A docência é atrativa apenas para a classe D, que tem poucas perspectivas de trabalho e consegue ver no cargo de professor uma ascensão social", destaca o consultor educacional Renato Casagrande.

* * * * *

Interatividade

A qualidade da formação superior dos professores deixa a desejar?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.