i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Educação

Manter os alunos na escola é o maior desafio do ensino médio

Dupla jornada, poucos professores e formação insuficiente são a tônica do último ciclo antes do vestibular. Mau desempenho no Ideb preocupa o governo

  • PorAnna Simas
  • 25/08/2012 21:04
Joyce Gabriele, 14 anos, estudante do 1º ano do ensino médio: foco total na aprovação no vestibular | Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo
Joyce Gabriele, 14 anos, estudante do 1º ano do ensino médio: foco total na aprovação no vestibular| Foto: Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo

Particulares

Mesmo com um foco maior no vestibular, o desempenho das escolas particulares no Ideb 2011 também deixa a desejar. Embora a nota seja mais alta – 5,7 contra 3,4 das públicas –, em seis anos o crescimento foi de apenas 0,1. Para a professora do Departamento de Educação da Universidade de Campinas (Unicamp) Márcia Malavasi, o motivo é também, assim como na pública, a falta de um conteúdo que desperte interesse.

Economia

Má formação no ensino médio afeta a produtividade do país

Outro prejuízo que o resultado ruim das notas do ensino médio oferece ao país é para a economia. Para avançar nessa área é preciso aumentar a produtividade e isso requer boa formação, principalmente em setores como tecnologia, por exemplo. "Chegamos em um ponto que, para crescer, precisamos de mão de obra mais qualificada para produzir mais. O Brasil poderia avançar muito se tivesse pessoas qualificadas, com boa formação e isso deveria ocorrer essencialmente nesta etapa", explica o pesquisador de políticas públicas Nilson Vieira Oliveira, do Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial.

Portanto, se a economia do país­ empaca, o crescimento de áreas que requerem qualificação consegue avançar pouco. Isso faz com que o país perca competitividade entre as nações desenvolvidas, que empregam pessoas mais treinadas e com mais qualidade e tempo de estudo.

O professor de Sociologia da Educação da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Márcio de Oliveira lembra que quanto mais qualificado for o profissional que está no mercado, mais o Brasil consegue conquistar outros mercados e, consequentemente, aumentar os salários dos trabalhadores.

Diferenças

A avaliação do Ideb para o ensino médio é diferente do fundamental. Este é feito pela taxa de aprovação e evasão junto com a nota da Prova Brasil, aplicada a todos os alunos de escola pública do 5.º ao 9.º ano (para as particulares é por amostragem). Já no ensino médio, a nota, além dos índices de aprovação e evasão, é do Sistema Nacional de Educação Básica (Saeb), que avalia por amostragem alguns estudantes de algumas escolas.

Dê sua opinião

A mudança na grade curricular vai melhorar a qualidade do ensino médio no Brasil? Por quê?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

O ensino médio brasileiro é uma fonte de frustração. Não apenas por seu resultado pífio nas avaliações feitas pelo governo federal – em dez estados houve regressão no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2009 a 2011, entre eles o Paraná –, mas também pela condenação de milhares de jovens a uma perspectiva modesta de vida e por reduzir a capacidade de desenvolvimento do país. É na fase em que passam para a vida adulta, enquanto cursam o ensino médio, que os jovens que vencem as deficiências do ensino básico decidem sair da escola. Dos 90% que chegam ao fim do ciclo, uma parcela pequena tem os conhecimentos básicos exigidos para uma vida profissional promissora.

Segundo estatísticas do movimento Todos pela Edu­cação, menos de 35% dos alunos do último ano do ensino médio atingiram o nível de conhecimento adequado em Português e Matemática para a série. Além disso, as notas do Ideb mostram que a média geral desta etapa é 3,7, enquanto a dos primeiros anos do ensino fundamental é 5. É com esse conhecimento que a maioria dos jovens encara o mercado de trabalho. "A escolaridade básica para o mercado hoje é o ensino médio. Se ele é comprometido, a capacidade de desenvolvimento do país também fica limitada", diz Nilson Vieira Oliveira, pesquisador de políticas públicas do Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial.

Para os especialistas, o baixo desempenho pode, em grande parte, ser explicado porque o jovem não vê sentido em cursar o ensino médio e acaba, ao longo do caminho, dando prioridade ao trabalho. Os dados do questionário aplicado na Prova Brasil de 2009, exame que faz parte do cálculo do Ideb, mostraram que 60% dos estudantes da rede pública que iriam ingressar no ensino médio pretendiam trabalhar e estudar.

Durante a dupla jornada, as dificuldades são muitas. "A escola não fornece estrutura para isso. Faltam professores e mais bolsas do governo que ajudem a manter um estudante apenas na escola. Além disso, o currículo não é atrativo para o aluno, pois não ensina, por exemplo, a aplicar os conhecimentos na vida prática, como analisar um contrato de financiamento de um carro ou casa", diz o consultor educacional Renato Casagrande.

Falta de identidade

Embora a pontuação das particulares no Ideb tenha sido superior à das públicas, o desempenho da rede privada ficou praticamente estagnado nos últimos anos. Os estudantes das classes média e alta, que não teriam necessidade de trabalhar, historicamente encaram o ensino médio apenas como uma porta de entrada para a universidade. Ou seja, o aluno ingressa nessa etapa pensando que precisa memorizar os conteúdos para ser aprovado no vestibular.

Este é o caso da estudante do 1.º ano do Colégio Acesso Joyce Gabriele dos Santos de Souza, 14 anos. Pela primeira vez em escola privada após cursar todo o fundamental na rede pública, ela estuda com o objetivo de ingressar no ensino superior daqui a três anos. Embora suas notas tenham caído em relação às da etapa anterior, ela acredita que o conteúdo que aprende é focado para um bom desempenho no vestibular, que, independentemente do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), ainda existe em muitas instituições do país. "Agora é muito mais puxado, requer mais concentração e mais responsabilidade porque meu desempenho agora vai refletir lá na frente, na conquista do curso superior", avalia.

Modernizar o currículo é uma das saídas

Por causa do baixo desempenho do ensino médio no Ideb 2011, o governo federal retomou a proposta de alterar o currículo dessa etapa e dividir as 13 disciplinas obrigatórias em grandes áreas. O debate, que começou em 2011 pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), sugere a mudança baseada no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que está dividido em quatro grupos: Matemática, Linguagens, Ciências Humanas e Ciências da Natureza.

O consultor educacional Renato Casagrande diz que a ideia é uma boa alternativa, desde que venha acompanhada de uma melhor formação dos professores. "Não adianta mudar currículo sem professor que dê conta de ensiná-lo. Pelo menos um curso de capacitação para os docentes precisa ter."

Escolha

Em países com bons modelos desta etapa do ensino, como nos Estados Unidos, por exemplo, o aluno pode escolher algumas disciplinas que quer cursar e assim focar na área de interesse. Para Casagrande, essa seria uma boa medida para se adotar aqui, como forma de aumentar o interesse pelo conteúdo.

Porém, para a professora do Departamento de Educação da Universidade de Campinas (Unicamp) Márcia Malavasi, de nada adianta uma mudança curricular sem alteração de estrutura, tanto de espaço físico como de corpo docente, e ajuda financeira para que o estudante não precise abandonar a escola para trabalhar. "Mesmo que o interesse aumente, se ele não tiver dinheiro para fazer o percurso entre casa, trabalho e escola, não adianta".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.