Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida e Cidadania
  3. Maringá
  4. Aos 130 anos, morre em Astorga a mulher mais velha do Brasil

perda

Aos 130 anos, morre em Astorga a mulher mais velha do Brasil

Maria Olívia da Silva morreu no início da noite desta quinta-feira (8), no distrito de Içara. Filho contou que ela passou mal após o jantar. Ela havia nascido em 1880

  • Marcus Ayres
  • Atualizado em às
Personagem de várias reportagens, Dona Maria Olívia dizia que trabalhou muito na vida e atribiu a longevidade a uma alimentação baseada em feijão e banana |
Personagem de várias reportagens, Dona Maria Olívia dizia que trabalhou muito na vida e atribiu a longevidade a uma alimentação baseada em feijão e banana
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Morreu no início da noite desta quinta-feira (8), em Astorga (na região Noroeste do Paraná), Maria Olívia da Silva, de 130 anos, considerada a pessoa mais velha do país. Um dos filhos da idosa, Aparecido Silva, contou que ela havia passado mal depois de jantar e não teve tempo de ser socorrida. O corpo está sendo velado na Capela Mortuária do distrito de Içara e o sepultamento será na sexta-feira (9), às 15 horas.

Nascida em 28 de fevereiro de 1880, em Varsóvia, na Polônia, dona Maria Olívia veio para o Brasil aos 3 anos, sendo registrada em Itapetininga (SP). Apesar da idade, ela não é reconhecida oficialmente como a mulher mais velha do mundo pelo Guinness Book, o livro dos recordes, já que os documentos originais foram perdidos em um incêndio. No entanto, as provas apresentadas pela família da idosa foram analisadas e reconhecidas pelo RankBrasil, o livro dos recordes brasileiros.

Ela residia em um casebre de madeira em Içara, distrito rural do município de Astorga, a cerca de 50 quilömetros de Maringá. Dona Maria Olivia criou 14 filhos (quatro adotados), dos quais apenas três estão vivos. Estima-se que a recordista tenha aproximadamente 400 netos, bisnetos e tataranetos.

Uma vida de muita história

Dona Maria Olívia viveu em mais de dez lugares diferentes (como Porecatu-PR, Centenário do Sul-PR e Presidente Bernardes-SP), mas nunca abriu mão da vida no campo. Desde criança trabalhou na roça, ajudando a plantar feijão, capinar grama e a colher algodão e café.

Casou-se pela primeira vez aos 12 anos, mas foi abandonada pelo marido, que a deixou para ficar com outra mulher. Dessa união teve uma filha. Depois, aos 28 anos, casou-se novamente, e teve mais nove filhos. O segundo marido, Benedito Honório da Silva, morreu aos 84 anos.

Personagem de várias reportagens, Dona Maria Olívia dizia que trabalhou muito na vida e atribiu a longevidade a uma alimentação baseada em feijão e banana.Nos últimos anos, estava com grande dificuldade para se locomover.

Pesava cerca de 30 quilos, contava com 50% da visão e 20% da audição, e tinha problemas no rim, no coração e no pulmão. Por causa da saúde, Maria Olívia passava a maior parte do dia sentada em um sofá próximo à porta da casa, de onde observava o movimento da rua.

.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE