i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Rio de Janeiro

Candidato do PSOL mostra pés de maconha em vídeo de campanha; MPE pede esclarecimentos

  • Por Gabriel Rodrigo Sestrem
  • 01/10/2020 17:00
André Barros defende a legalização da maconha
Vídeo em que candidato do Psol aparece em plantação de maconha viralizou| Foto: Reprodução

Após a viralização de um vídeo de campanha do candidato a vereador do Rio de Janeiro, André Barros (PSOL), em que aparece em uma plantação de maconha e relaciona sua candidatura à defesa da legalização da droga, o Ministério Público Eleitoral (MPE) solicitou esclarecimentos ao postulante ao cargo no Legislativo municipal sobre as mensagens veiculadas. O promotor eleitoral David Faria registrou que “na referida propaganda, o candidato faz alusão à valorização e consumo de drogas”.

“Importante destacar que a utilização do fato do candidato ser da ‘marcha da maconha’ está resguardada pela liberdade de expressão e de propaganda, mas o contexto em que ela é veiculada parece ultrapassar a livre manifestação de pensamento”, consta no documento com emitido na terça-feira, 29 de setembro.

Em 2016, graças a um vídeo de divulgação de campanha semelhante, quando também concorria ao cargo de vereador pela capital fluminense, a Procuradoria Regional Eleitoral (PRE) do Rio de Janeiro solicitou à Promotoria Eleitoral uma investigação contra Barros por apologia ao crime. Na época, o procurador regional eleitoral Sidney Madruga citou que: “Não se trata de liberdade de expressão, a exemplo da ‘marcha da maconha’, mas sim da utilização de um instrumento valioso de campanha eleitoral (propaganda) como bandeira favorável ao consumo e à legalização”.

Crime ou livre manifestação do pensamento?

O vídeo circula nas redes sociais desde domingo (27). Nele, Barros recorre a trocadilhos como “baseado na sua consciência” e “baseado na sua mente” e faz outras referências à droga.

O candidato, que se autodefine como “advogado da Marcha da Maconha”, é ativista pela legalização da droga no Brasil e um dos autores da representação encaminhada, em 2009, à Procuradoria-Geral da República contra decisões judiciais que proibiam a realização da marcha em algumas cidades do Brasil. A representação gerou uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) que, em 2011, autorizou a realização do evento em todo o país.

Em entrevista à Gazeta do Povo, Barros afirmou que o vídeo foi gravado em uma plantação de maconha autorizada pela justiça e que não há crime em sua mensagem. O candidato também declarou que em campanhas eleitorais anteriores – nas quais concorreu a deputado federal, deputado estadual e vereador – já havia gravado vídeos semelhantes com a mesma mensagem, o que não resultou em condenações judiciais.

Para Douglas Lima Goulart, especialista em Direito Penal e sócio do escritório Lima Goulart e Lagonegro Advocacia Criminal, a atitude do candidato não se enquadrara nos crimes de incitação ao crime ou apologia ao crime (artigos 286 e 287 do Código Penal) graças ao entendimento do STF no julgamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 187, em 2011. “O STF decidiu que a manifestação pública pela descriminalização da maconha não pode ser considerada crime, mas sim o exercício da livre manifestação do pensamento”, ressalta.

Goulart destaca que o que não é permitido é incitar o uso de drogas ilícitas, o que, em seu ponto de vista, não se aplica ao vídeo em questão. “O candidato não fala claramente ‘use drogas’. Ele tem a consciência dos limites da sua atuação. O Ministério Público tem o poder e mesmo o dever de levantar essa discussão, mas creio que atualmente há uma atmosfera jurídica solidificada quanto à não qualificação dessa conduta como crime”, avalia.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • E

    Erico

    ± 38 minutos

    Que estupidez. E o pior é que há quem vote nisso daí.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcos Ctba

    ± 58 minutos

    NO LIXO DE JANEIRO É ESPERADO ESSA ABERRAÇÃO. E VINDO DO PSOL NADA DE ESTRANHO

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JOSIL

    ± 1 horas

    No Rio, essa bela e castigada cidade, esse insignificante tem alguma repercussão. Mas, é apenas um insignificante manifestando a sua mediocridade "baseada" em neurônios queimados... Patético!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sr. Walker

    ± 3 horas

    É no Rio? Então já está eleito.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Senor Rodriguez

    ± 3 horas

    Cuidado: maconha afeta sua capacidade de cognição) (claramente dá para ver isso no pronunciamento do candidato) e, ainda a "larica" aumenta sua fome, o que favorece o sobrepeso (idem)*. Mas, se vc acha que pode viver sem os neurônios que se queimam, ou que algum peso a mais não vai prejudicar sua saúde, vá em frente. Os seus concorrentes (em tudo), agradecem. (*) "baseado" em estudos científicos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    ALESSANDRO ALONSO FERREIRA CALU

    ± 4 horas

    O problema é o se o candidato se esqueceu de registrar a candidatura!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]