i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Segurança

Paraná sobe em ranking de mortes

Estudo afirma que estado passou de 14.º para 9.º lugar em homicídios no país. Três das dez cidades com pior índice de assassinatos são paranaenses

  • PorFabiula Wurmeister, da sucursal com colaboração de Marcos Henrique Xavier
  • 30/03/2010 21:04
Guaíra está entre as mais violentas do país: chacina de 2008 mostra que crime ainda aumentou depois do estudo | Rodolfo Büher/ Gazeta do Povo
Guaíra está entre as mais violentas do país: chacina de 2008 mostra que crime ainda aumentou depois do estudo| Foto: Rodolfo Büher/ Gazeta do Povo

Sesp contesta dados

Em nota, a Secretaria de Estado da Segurança Pública do Paraná (Sesp) contestou a metodologia empregada para a elaboração do Mapa da Violência. A secretaria afirma que, para que seja elaborado um ranking nacional da criminalidade, o próprio Ministério da Justiça sugere a criação de "um banco de dados criminal único em todos os estados".

Leia a matéria completa

Violência migra para o interior

Embora grandes cidades e regiões metropolitanas tenham apresentado uma queda nos índices de homicídios – 19,8% e 25%, respectivamente, conforme estudo –, no interior dos estados a situação é diferente. No período houve um aumento de 37,1% dos indicadores.

Leia a matéria completa

Jovem, negro e pobre são as maiores vítimas

Homens com idade entre 15 e 24 anos, negros e pobres são as maiores vítimas de violência no Brasil. A conclusão consta no estudo Mapa da Violência. As informações são da Agência Brasil.

Leia a matéria completa

  • Veja que dados nacionais mostram que houve evolução dos assassinatos

Foz do Iguaçu - O aumento da criminalidade no Paraná levou o estado a subir cinco posições no novo ranking da violência nacional. A edição de 2008 do Mapa da Violência mostrava o estado na 14.ª posição do país, com um índice de 17,3 homicídios para cada grupo de 100 mil pessoas. A edição deste ano, di­­vulgada ontem, colocou o Paraná em 9.º lugar, com 29,6 homicídios/100 mil habitantes. Os dados se referem a um período de cinco anos, entre 2003 e 2007.

O estudo, produzido pelo Instituto Sangari com base em dados do Ministério da Saúde, traz outras más notícias sobre o Paraná. O estado é o único a ter três cidades na lista das 10 mais violentas do país: Nova Tebas (Centro-Oeste), Guaíra (Oeste), e Tunas do Paraná (na região metropolitana de Curitiba) aparecem na relação. Entre as 100 primeiras, são 10 paranaenses. Foz do Iguaçu (Oeste) continua, pela terceira vez seguida, em primeiro lugar no ranking de assassinatos de jovens no país.

Na contramão da média nacional, o Paraná registrou um aumento na taxa de homicídios. Em uma década, o número de pessoas assassinadas quase dobrou, saltando de 1.586 mortes, em 1997, para 3.112, em 2007, média de oito por dia.

Jovens

O Paraná aparece em destaque ainda na relação de cidades com mais vítimas entre jovens com idade entre 15 e 24 anos. Foz do Iguaçu, no Oeste do estado, aparece há três anos como a campeã nacional com média de 227,1 homicídios para cada 100 mil habitantes nessa faixa etária. Guaíra, também no Oeste, surge na quarta colocação de assassinatos contra jovens, com índice de 195,5 mortes para cada 100 mil habitantes.

"A história recente da violência que resulta em homicídio, no Brasil, é a história do crescimento dessa violência entre jovens. Uma não terá solução sem a outra", afirma o sociólogo Julio Jacobo Wai­­selfisz, do Instituto Sangari. Na fronteira com o Paraguai, em especial nos municípios que margeiam o Lago de Itaipu e a BR-277, os as­­sas­­sinatos juvenis estão diretamente ligados ao envolvimento com o contrabando e o tráfico de drogas.

O Paraná também segue a tendência nacional de aumento da violência nas cidades do interior. Dados colhidos em delegacias de Homicídios e Institutos Médicos-Legais (IMLs) das principais cidades do estado mostram que o número de assassinatos tem crescido nos últimos anos. A exceção é Foz do Iguaçu onde, apesar de os números continuarem altos, houve redução no último ano. No ano passado, o nú­­mero de homicídios em Curitiba cresceu 15% em relação a 2008. Em Ponta Grossa, o aumento foi de 28,5%, o maior do estado. Comparada a 2007, a diferença chega a 68,7%.

Guaíra

Em Guaíra, que vem aparecendo seguidamente em rankings de violência e até em relatórios internacionais de segurança, a violência está relacionada ao contrabando e tráfico de drogas na fronteira com o Paraguai. Apesar do alto índice de homicídios, o delegado da Polícia Civil na cidade, José Carlos Guglielmetti, afirma que as mortes violentas têm caído na cidade. Nesse ano, a cidade teve 14 homicídios. Desses, explica o delegado, 10 já foram solucionados e os outros quatro têm indicativo de autoria (quando a polícia tem um suspeito que permite uma linha de investigação). Esse resultado, segundo o delegado, deve-se ao reforço que a delegacia recebeu no ano passado. "Recebemos três investigadores a mais que se for­­ma­­ram na Escola de Po­­lícia, totalizando agora oito investigadores", argumenta o delegado.

* * * * *

Interatividade

Por que a violência cresce no Paraná?

Escreva para leitor@gazetadopovo.com.br

As cartas selecionadas serão publicadas na Coluna do Leitor.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.