i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
PRODUÇÃO AGRÍCOLA

Produtores rejeitam merenda

Preço baixo pago por produtos faz com que pequenos agricultores não se interessem em contribuir com o lanche das crianças

  • PorPonta Grossa - Ismael de Freitas, da sucursal, especial para a Gazeta do Povo
  • 27/08/2010 21:12
A produtora Sílvia Cappelletti não vê benefícios para o agricultor em programa estadual | Henry Milléo/Gazeta do Povo
A produtora Sílvia Cappelletti não vê benefícios para o agricultor em programa estadual| Foto: Henry Milléo/Gazeta do Povo

BENEFÍCIOS

Programa não fica restrito à nutrição

Para o pesquisador do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), Moacir Roberto Darolt, o programa que privilegia a aquisição de alimentos dos pequenos produtores rurais para a merenda escolar vai além da melhoria nutricional. "Serão alimentos frescos, produzidos em locais que estão próximos às escolas. Além disso, o governo vai pagar 30% a mais para produtos orgânicos ou feitos de maneira agroecológica", afirma.

Na avaliação do pesquisador, o projeto vai dar muito trabalho, mas os resultados serão compensadores. "O Estado terá que investir em mais agentes de apoio aos produtores, em mais fiscalização e vai ter que lutar contra lobbies de grandes empresas, que lucram milhões com a merenda hoje. Além disso, os produtores vão ter que se organizar para produzir mais e melhor, dentro das exigências de qualidade", finaliza.

A falta de interesse de associações e cooperativas de agricultores em fornecer produtos para a merenda escolar fez com que a implementação do Programa Estadual de Agricultura Familiar fosse prorrogada do último dia 20 para a próxima quinta-feira pela Secretaria de Estado da Educação (Seed) do Paraná. O preço oferecido pelo estado é o fator que mais desmotiva os produtores. "Não tem como entregar os produtos nas escolas por esse preço. É inviável e vai dar prejuízo", reclama a secretária da Associação dos Produtores de Hortifrutigranjeiros de Ponta Grossa, Suzana Mroginski.O governo pagará, por exemplo, R$ 0,90 pelo quilo da abobrinha, enquanto o preço razoável seria de pelo menos R$ 1,40, segundo Suzana. Apesar da insatisfação, o edital do programa segue as determinações da Lei 11.947, de 2009, que prevê que a tabela de preços tenha como padrão os valores estipulados pela Companhia Nacional de Abaste­cimento (Conab).

Além do valor de tabela, os produtores são responsáveis por entregar os produtos nas escolas, o que encarece ainda mais os custos. Para a produtora Sílvia Cappelletti, de Ponta Grossa, a tabela da Conab, que regulamenta os preços, não leva em conta a distribuição do produto em várias escolas. Ela já faz entregas em escolas do município e não vê benefícios para o agricultor que participar do programa estadual. "Fornecemos a merenda para as escolas municipais [de Ponta Grossa], mas temos um diálogo. Se não podemos fornecer um determinado produto, trocamos. Além disso, o preço que recebemos leva em conta a entrega", conta.

Outro ponto que afugenta os agricultores de participar do programa é a falta de esclarecimento sobre a possibilidade de flexibilizar o cardápio. Eles reclamam do rigor do sistema e temem pagar multas caso produtos específicos não sejam entregues nos prazos determinados. "O cardápio não é adaptado às épocas do ano. Se der uma geada e eu perder toda a plantação de alface, não posso entregar outra coisa no lugar e ainda vou ter que pagar multa", aponta Suzana.

De acordo com Márcia Cristina Stolarski, da Coordenação de Alimentação e Nutrição Escolar do Estado, não há como mudar os preços, mas existe a possibilidade de negociar os produtos que serão entregues em determinadas épocas do ano. "Temos que remunerar conforme a lei determina, não temos autonomia para mudar isso. Estamos no começo de um processo que é muito grande e que vai estar melhor em uns dois ou três anos", conta.

Nenhuma proposta de produtores foi apresentada aos núcleos regionais de educação de Ibaiti, Telêmaco Borba, Paranaguá e Wenceslau Braz. E apenas uma foi registrada em Jacarezinho, Goioerê, Pato Branco, Ivaiporã, Londrina, Maringá, Toledo, União da Vitória, Curitiba, Assis Chateau­briand, Paranavaí, Umuarama, Ponta Grossa e Laranjeiras.

Serviço:

O prazo para inscrição no Programa Estadual de Agricultura Familiar vai até as 17 horas do dia 2 de setembro. O cadastro pode ser feito no site www.diaadia.pr.gov.br/sude. A entrega de documentos nos 32 núcleos regionais de educação termina às 14 horas do dia 3 de setembro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.