i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Adoção

Senado vota estabilidade de emprego para quem recebe guarda de criança adotada

  • 10/02/2020 17:41
Senado pretende garantir estabilidade no emprego em casos de adoção.
Senado pretende garantir estabilidade no emprego em casos de adoção.| Foto: Aditya Romansa/Unsplash

O Plenário do Senado vota nesta terça-feira (11) o projeto de lei que garante cinco meses de estabilidade de emprego a quem ficar com a guarda de criança adotada, no caso de falecimento dos adotantes. O texto que será discutido é o substitutivo apresentado pela senadora Daniella Ribeiro (PP-PB).

De autoria do senador Roberto Rocha (PSDB-MA), o projeto tramita na Casa desde 2015 e foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), na última quarta (5). A intenção é alterar a Lei Complementar nº 146, de 25 de junho de 2014, para melhorar a proteção das crianças e das mães, segundo a justificativa do autor.

“A proteção das mães adotantes, embora não inclua a amamentação, implica conhecimento e preparo psicológico, além da construção de um relacionamento que não passou pela fase de gestação. Implica convívio até mais intenso, compensatório. Durante esse processo é fundamental que as condições sejam favoráveis”, argumenta Rocha na justificativa.

A mudança principal é garantir que a estabilidade será usufruída por quem obtiver a guarda do menor, em caso de morte da pessoa que adotou primeiro a criança.

“A extensão da citada estabilidade para quem obtiver a guarda de filho adotivo de genitora falecida é medida indispensável para que o menor possa se adaptar ao novo lar, ainda mais na triste situação de morte prematura daquela que, por um ato de amor, o acolheu no seu seio familiar”, diz a relatora no substitutivo.

Previsão legal já existe

A estabilidade já era assegurada aos adotantes na Consolidação das Leis do Trabalho (Lei 13.509/2017) mas não incluía o caso de morte dos pais.

“Cremos, finalmente, que a mudança proposta pode colaborar no momento da decisão dos casais pela adoção ou guarda de uma criança. Na situação atual, em que os padrões familiares estão em mutação, a generosa oferta de convivência estável a uma criança abandonada não pode ser menosprezada”, diz a justificativa do projeto original.

Tramitação no Senado

A CCJ aprovou um pedido de urgência para a apreciação do PLS 796/2015. A lei complementar entra em vigor na data de sua publicação. “Na prática, estamos concedendo aos filhos adotivos o direito à igualdade em relação aos filhos naturais, o que é norma constitucional, presente em diversos pontos da legislação ordinária. Desnecessário dizer que o tratamento diferenciado atual é passível de questionamento, quanto a sua constitucionalidade”, ressalta o senador na justificativa.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.