i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Trânsito

Silva Jardim perde estacionamentos

Com a restrição, Urbs calcula que motorista levará cinco minutos a menos para percorrer o trecho de 18 quadras

  • PorMarcos Xavier Vicente
  • 08/04/2010 21:13
Silva Jardim: placas de proibição para estacionar começam a ser instaladas | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Silva Jardim: placas de proibição para estacionar começam a ser instaladas| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

Modelo de gestão: Mais quatro vias perderão vagas

Além das avenidas Visconde de Guarapuava e Silva Jardim, a Urbs (empresa que gerencia o transporte na cidade) já tem concluído o planejamento para retirada das vagas de estacionamento em outras quatro ruas movimentadas de Curitiba: Brigadeiro Franco, Desembargador Motta, Ângelo Sampaio e Coronel Dulcídio.

De acordo com a gestora da área de Operação de Trânsito da Urbs, Guacira Civolani, a previsão é de que a retirada das vagas nessas vias seja concluída ainda neste ano. "Em trechos de algumas dessas ruas, como a Desembargador Motta, já é proibido estacionar no horário de pico, das 16 às 19 horas. Mas vamos estender isso para o trânsito fluir ainda melhor", explica.

Já nas ruas Vicente Machado e Carlos de Carvalho, a Urbs estuda implantar a proibição de estacionar justamente nos horários de maior movimento. "Mas ainda não há data para essa implantação, porque o levantamento de viabilidade ainda está sendo feito", informou a gestora da Urbs.

A Avenida Silva Jardim vai perder as vagas de estacionamento. A prefeitura de Curitiba começou ontem a mudança na sinalização para a retirada das vagas do cruzamento com a Rua Castro Alves, no Batel, até a Rua João Ne­­grão, no Centro. Inicialmente, serão retiradas aproximadamente 360 vagas nas 18 quadras da pista da esquerda. A previsão é que a proibição passe a vigorar a patir da próxima semana. Na sequência, a via perderá as vagas do lado direito, ampliando ainda mais a sua capacidade de tráfego, que hoje chega a 4 mil veículos por hora em horários de pico – movimento oito vezes maior do que a média em um dia normal no trecho da BR-277, sentido litoral.

Segundo a gestora da área de Operação de Trânsito da Urbs (empresa municipal que gerencia o trânsito da cidade), Guacira Civolani, a expectativa é de que, sem as vagas, o motorista passará a gastar 5 minutos a menos para percorrer a via. Mesma redução de tempo alcançada com a retirada do estacionamento na Avenida Visconde de Guarapuava – processo iniciado em 2006 e concluído no fim de março, com a retirada das últimas vagas em nove quadras do Batel.

Na primeira etapa da alteração na Silva Jardim, a Urbs instalou ontem as novas placas sinalizando a proibição de se estacionar em dias úteis das 7 às 22 horas e das 7 às 14 horas aos sábados. Já o trabalho de repintura das faixas deve levar mais tempo por causa do tempo chuvoso. "Depois da chuva, é preciso esperar no mínimo 48 horas para que o asfalto seque completamente e receba a tinta", explica Guacira. Assim que o estacionamento for proibido na Silva Jardim, a Urbs ainda manterá agentes de trânsito por alguns dias na avenida para orientar os motoristas.

Pedestres

Dois especialistas em trânsito ouvidos pela reportagem confirmam que a iniciativa de retirar as vagas – o que a prefeitura pretende implantar em outras vias rápidas (ler texto ao lado) – realmente ajuda a melhorar o fluxo de veículos. Entretanto, ambos consideram que apenas a retirada do estacionamento não é o suficiente. "Tomar essa medida sozinha é beneficiar demais o motorista, em detrimento do pedestre e do ciclista", considera o arquiteto Fábio Duarte, coordenador do mestrado e doutorado em Gestão Urbana da Pontifícia Universidade Católica (PUCPR).

Duarte explica que a retirada das vagas cumpre a premissa do poder público em atender o máximo de cidadãos. "Se uma pessoa deixa o carro estacionado em uma via rápida, ela pode usar por horas um espaço que poderia ser compartilhado por muitos", explica. Entretanto, o arquiteto defende que seria mais eficiente que fossem feitas ciclovias e melhorias nas calçadas das vias onde as vagas foram retiradas. "Isso beneficiaria inclusive o comerciante, pois o público circularia mais fácil pela frente dos estabelecimentos", argumenta.

Já o engenheiro civil Luiz Cláu­­dio Mehl, membro do Con­selho Consultivo do Instituto de Engenharia do Paraná (IEP), chega a comparar as vias rápidas com o sistema cardiorrespiratório. "Chega um momento que é preciso desobstruir a veia para que o sangue circule. É a mesma coisa com as vias rápidas em relação às vagas", afirma. Porém, Mehl considera que a retirada do estacionamento deveria vir com melhorias no sistema de transporte público. "Isso seria o ideal para forçar o cidadão a deixar o carro em casa", enfatiza.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.