“Há um excesso de pessoas presas na carceragem, o que compromete a segurança. Já que as prisões são absolutamente ilegais, todos deveriam ser soltos e não transferidos para um lugar pior”, disse o advogado | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
“Há um excesso de pessoas presas na carceragem, o que compromete a segurança. Já que as prisões são absolutamente ilegais, todos deveriam ser soltos e não transferidos para um lugar pior”, disse o advogado| Foto: Marcelo Andrade/Gazeta do Povo

O advogado dos executivos da OAS, Roberto Telhada, afirmou que os presos da Lava Jato deveriam ser soltos, e não transferidos. Ele defende quatro executivos da empresa que serão transferidos nesta terça-feira (24) da carceragem da Polícia Federal em Curitiba para o Complexo Médico Penal (CMP), em Pinhais: o presidente José Aldemário Pinheiro Filho, o diretor Agenor Franklin de Moraes, o vice-presidente do Conselho Mateus Continho de Sá Oliveira e o funcionário José Ricardo Breghirolli.

“Há um excesso de pessoas presas na carceragem, o que compromete a segurança. Já que as prisões são absolutamente ilegais, todos deveriam ser soltos e não transferidos para um lugar pior”, disse o advogado. “O que nós sabemos é que chegaram outras pessoas na carceragem da Polícia Federal e a PF fez uma revista e identificou que havia um número excessivo de pessoas”, disse Telhada sobre a transferência.

A PF pediu a transferência de 12 presos da Lava Jato para o CMP na última sexta-feira (20). O pedido foi acatado nesta segunda-feira (23) pelo juiz federal Sérgio Moro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]