| Marcelo Camargo/Agência Brasil
| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), defendeu nesta sexta-feira que o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero seja investigado por supostamente ter gravado conversa com o presidente Michel Temer.

LEIA TAMBÉM: Após acusação de Calero contra Temer, Geddel pede demissão

‘Declarações são insensatas’, diz advogada-geral da União

“Há algo aí de extremamente grave e que também tem que ser investigado, o fato de um servidor público, um homem da confiança do presidente da República, com cargo de ministro de Estado, se confirmado isso, entrar com um gravador para gravar o presidente. Isso é inaceitável, é inédito na história do Brasil”, disse Aécio.

Para o tucano, Calero poderia, ao gravar deliberadamente Temer, induzir a conversa de forma a prejudicá-lo.

“Isso permite a todos nós achar que nessa conversa ele tenha induzido qualquer palavra do presidente. Isso tem que ser investigado porque parece ato passível de punição”, defendeu.

Sobre a pressão de Geddel Vieira Lima, que nesta sexta-feira se demitiu do cargo de ministro, em cima de Calero para ajudá-lo em questões pessoais, Aécio tergiversou. Disse que qualquer ação caberia ao presidente Michel Temer.

‘Declarações são insensatas’, diz advogada-geral da União

Nota da AGU afirma que Grace Mendonça considerou ‘irresponsável’ o envolvimento de seu nome no episódio

A advogada-geral da União, Grace Mendonça, declarou por meio nota publicada na noite desta quinta-feira que “jamais recebeu orientações para direcionamento nas manifestações da Advocacia-Geral da União e que tampouco aceitaria qualquer tipo de interferência”, ao se referir ao depoimento do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero à Polícia Federal. A nota afirma que Grace considerou “irresponsável” o envolvimento de seu nome no episódio e “insensatas” as declarações veiculadas na imprensa.

Em depoimento à PF, o ex-ministro acusou o presidente Michel Temer de reforçar a pressão de Geddel Vieira Lima, ministro da Secretaria de Governo, a liberar as obras do prédio La Vue embargadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Segundo o ex-ministro, numa reunião no Palácio do Planalto, Temer mandou que ele “construísse uma saída para que o processo fosse encaminhado a AGU, porque a ministra Grace Mendonça teria uma solução”.

Sobre a afirmação do ex-ministro da Cultura, a advogada-geral da União afirmou que se trata de uma pedido para avaliar uma possível divergência jurídica entre órgãos da administração, “uma vez que dirimir conflitos jurídicos é uma das funções da AGU”.

“As eventuais questões jurídicas relacionadas ao caso foram examinadas pela própria Procuradoria do Iphan, órgão competente para analisá-las. Tecnicamente, a unidade entendeu que a presidente do Iphan é competente para a anulação de ato da Superintendência estadual e que poderia decidir o caso concreto, conforme os critérios que a área técnica entendesse pertinentes. Noutras palavras, a AGU, no caso, atuou dentro dos estritos limites de sua competência constitucional, pelo seu órgão setorial competente (Procuradoria junto ao Iphan), e tendo como parâmetro a legislação de regência, sem qualquer tipo de interferência ou pressão.”, diz o texto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]