i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ditadura

Anistia é 'perdão em sentido maior' e não deve ser revisada, diz ministro do STF

Declarações foram dadas após a Comissão da Verdade entregar relatório final

  • PorFolhapress
  • 10/12/2014 12:21

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello disse nesta quarta-feira (10) que a Lei da Anistia já foi considerada válida pela corte em 2010 e, por isso, não deve ser revisada."Precisamos colocar na cabeça que anistia é esquecimento, virada de página, perdão em seu sentido maior, e para os dois lados", afirmou.

As declarações foram dadas após a Comissão Nacional da Verdade entregar à presidente Dilma Rousseff um relatório final apontando que durante a ditadura foram cometidos crimes contra a humanidade dentro de uma política sistemática, incluindo entre os culpados os cinco generais que presidiram o país durante o regime.

Segundo o ministro, o pronunciamento do STF sobre a Lei da Anistia em 2010 "é soberano e não é alvo de revisão". Para ele, argumentos usados pelo Ministério Público na tentativa de punir torturadores, como o fato dos crimes terem sido de lesa humanidade e continuados, no caso dos desaparecimentos, não podem alterar o quadro.

"Não podemos tentar driblar o pronunciamento do STF", disse.

Questionado sobre a composição da corte, uma vez que atualmente só restam quatro dos sete ministros que votaram pela validade da Lei da Anistia, Marco Aurélio diz ser "triste" se tentar promover uma "virada de mesa" alternando ministros do STF.

"Isso aconteceu com o crime de quadrilha no caso do mensalão, que foi derrubado. Esse tipo de situação não contribui em nada para a segurança jurídica", disse.De acordo com o ministro, o relatório da Comissão Nacional da Verdade deve ser encarado como um documento histórico para impedir que no futuro se cometam os mesmos erros do passado.

"Do ponto de vista judicial, temos muito com o que nos preocupar na atualidade, como a Operação Lava Jato. Vamos consertar o Brasil para o futuro, não para o passado", disse.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.