i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Justiça

CNJ pode retomar inspeção em folha de pagamentos dos tribunais, diz Fux

Trabalho está suspenso desde o final do ano passado, quando uma liminar do ministro Ricardo Lewandowski interrompeu a apuração iniciada no TJSP

  • PorAgência Brasil
  • 01/02/2012 20:36

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), esclareceu em um despacho assinado nesta quarta-feira (29) que a Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) pode retomar as inspeções em folhas de pagamentos dos tribunais do país. O trabalho está suspenso desde o final do ano passado, quando uma liminar do ministro Ricardo Lewandowski interrompeu a apuração iniciada no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP).

O esclarecimento de Fux responde a uma petição protocolada pela corregedora Eliana Calmon, questionando até que ponto a decisão de Lewandowski deveria interferir no trabalho da corregedoria. A ministra lembrou que o cruzamento da folha de pagamento dos tribunais com a declaração de bens dos juízes remonta às origens do CNJ e que não tem qualquer tipo de ilegalidade.

No despacho, Fux diz que essa atividade está liberada, desde que a apuração não use dados sigilosos, como informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e do Banco Central.

Para o advogado das associações de juízes que acionaram o STF contra o CNJ, Alberto Pavie, a decisão de Fux é apenas um esclarecimento, já que as entidades nunca pediram para que a Suprema Corte impedisse a apuração nas folhas de pagamento dos tribunais. "A corregedora estava dando uma chave de braço no seu trabalho sem necessidade".

Fux também determina que a Corregedoria do CNJ, o Banco Central e o Coaf prestem mais informações ao processo, em resposta à demanda das associações de juízes. Em petição protocolada ontem, as entidades manifestaram preocupação com a retirada de um CD-ROM dos autos e com a omissão de um despacho de Eliana Calmon dirigido ao presidente do Coaf.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.