i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Alvaro e o efeito dominó

  • PorCelso Nascimento
  • 09/12/2016 23:01

Silenciosamente, o senador Alvaro Dias toma providências para viabilizar sua candidatura à Presidência da República. Político desde sempre, paradoxalmente ele passou a ser favorecido pelo vácuo criado pela generalizada ojeriza da opinião pública aos políticos – grande parte deles moralmente dizimada pela Operação Lava Jato.

Um a um, como num efeito dominó, vão-se esborrachando os nomes até agora considerados mais viáveis para a disputa. O trio de ferro do PSDB – partido que parecia próximo de reconquistar o Palácio do Planalto após os 13 anos de reinado petista – foi incluído na lista: o senador Aécio Neves, o ministro José Serra e o governador Geraldo Alckmin também se enrolaram nas delações da Odebrecht à Lava Jato.

Já nem se cogita da volta ao cenário de outro líder popular, o ex-presidente Lula, que frequentemente ameaçava candidatar-se outra vez ao posto. Ele e seu partido, o PT, tornaram-se alvo da repulsa do eleitorado – “privilégio” que dividem não apenas com outros políticos e siglas, mas também com as próprias instituições republicanas, cada vez mais depauperadas de valores.

Na opinião de muitos analistas, este quadro abriria a oportunidade para o surgimento de arrivistas, salvadores da pátria – um fenômeno muito parecido com o que levou os brasileiros a acreditarem e elegerem Fernando Collor em 1989, na primeira eleição direta pós-ditadura. Ou, para trazer o caso aos tempos presentes, a vitória em outubro último do empresário João Doria à prefeitura de São Paulo, um não-político que derrotou em primeiro turno uma penca de políticos tradicionais.

A possibilidade de aparecer por aí um novo messias – um novo Collor, um novo Doria – não figura no horizonte dos institutos de pesquisa nem das pitonisas de plantão. A paisagem parece ser de terra arrasada. Nela só se notam agora os escombros dos seis ministros de Michel Temer afastados por corrupção; dos presidentes da Câmara Federal e do Senado (um preso e outro réu de ação penal); de um Judiciário açodado, confuso e desacreditado... e assim por diante neste Brasil infeliz de 2016, vítima de recessão, desemprego e incertezas.

E o que o projeto presidencial do senador Alvaro Dias tem a ver com tudo isso?

Tem que, embora sendo político a vida inteira, não se acha contaminado pelo que aí está. Acredita ser um ponto fora da curva neste momento da vida brasileira. Saiu do PSDB e ingressou no pequeno Partido Verde – sigla que, é certo, não lhe dá a mesma visibilidade nacional dos tempos em que era tucano e líder da oposição aos governos petistas. Em compensação, o PV lhe assegura a condição de pré-candidato, posição que nunca alcançaria no PSDB; seria esmagado pelo “trio de ferro”.

Alvaro quer se apresentar como alternativa, uma terceira via. Por isso, diz estar empenhado, correndo o país sem alarde, para organizar o PV e dar à sigla a estrutura mínima necessária para a empreitada. O PV é um partido internacional; acaba de ganhar as eleições na Áustria, é forte na Alemanha e, nos Estados Unidos, sua candidata, a médica Jill Stein, ficou em terceiro lugar, atrás de Trump e Hillary.

O maior desafio, diz Alvaro, é fazer com que o PV deixe de ser considerado uma ong para se tornar uma legenda com projeto de poder e programa claro de governo, capaz de aglutinar outras forças políticas do país que hoje, silenciosas e insatisfeitas, estão à margem.

Alianças com partidos existentes são importantes e algumas negociações (que o senador não revela) até já estão em curso, desde que não desfigurem as causas ambientais que o PV defende. O objetivo, claro, é também ganhar tamanho, presença nacional e tempo de propaganda em tevê, não esconde o senador. Ele se deu prazo curto para cumprir esta tarefa: março de 2017.

E, se nada der certo, voltará a pensar em disputar o governo do Paraná? Resposta: “Em hipótese alguma. O candidato aqui é Osmar Dias”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.