Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. Colunistas
  4. Celso Nascimento
  5. Ameaçado de fechar, Hospital Evangélico pede socorro
Celso Nascimento

Celso Nascimento + VER MAIS COLUNISTAS

celso nascimento

Ameaçado de fechar, Hospital Evangélico pede socorro

 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Com uma dívida da ordem de R$ 400 milhões, o Hospital Evangélico agoniza. Todos os dias, alguns dos seus serviços são paralisados. Ora faltam remédios, ora faltam até os mais simples insumos para curativos. Nesta segunda-feira (8), pacientes não foram recebidos porque faltavam roupas de cama.

Já não se considera inevitável o fechamento do hospital – a menos que se encontre um grupo empresarial ou mesmo uma instituição de caráter filantrópico que se disponha a assumir sua administração e arque com a responsabilidade de quitar os compromissos vencidos, segundo explica um diretor do Evangélico que pediu anonimato.

O mesmo diretor informa que a Universidade Mackenzie, de São Paulo, já teria demonstrado interesse, mas as negociações não progridem em razão de impedimentos judiciais para realizar uma completa auditoria contábil, financeira e patrimonial do hospital.

Fundado nos anos 1950 sob a liderança do médico Daniel Egg, o hospital tem como entidade mantenedora a Sociedade Evangélica Beneficente de Curitiba (SEB), formada por várias denominações religiosas protestantes. Até cerca de três anos, a SEB era quem cuidava diretamente da gestão, mas desmandos – incluindo o uso político do estabelecimento – levaram o hospital à insolvência, segundo apurou o Ministério Público do Trabalho. Dívidas trabalhistas acumuladas levaram a Justiça do Trabalho a decretar intervenção, afastando a antiga administração e nomeando interventor. Não havia controle de gastos nem da prestação de serviços e da entrega de suprimentos pelos fornecedores. Mesmo assim, o dinheiro continuava sendo desembolsado pelo hospital.

A intervenção judicial não produziu os resultados esperados. Pelo contrário, desde então a situação só se agravou e agora chega ao ponto do colapso. E isso justamente num momento em que os serviços públicos municipais de saúde também enfrentam grandes dificuldades e sem condições de prestar socorro ao Evangélico, conforme reconhece o secretário João Carlos Baracho.

A salvação estaria na Universidade Mackenzie, mantida pelo Instituto Presbiteriano Mackenzie, uma associação civil de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em São Paulo há quase 150 anos. O hospital e a universidade Evangélica de Curitiba formariam um sexto campus da instituição de ensino superior. Afora o de São Paulo, os outros cinco estão localizados no Rio de Janeiro, Campinas, Barueri, Brasília e Recife.

Sem ter acesso completo à situação do Evangélico e, portanto, sem saber se teria condições de recuperá-lo, o grupo Mackenzie nada pode fazer. Extraoficialmente, já pediu à Justiça do Trabalho autorização para realizar a auditoria, mas foi informado de que, para tanto, terá de seguir os demorados trâmites judiciais. Enquanto isso, a crise se aprofunda e não se vê luz no fim do túnel.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE