Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
 | Waldemir Barreto/Agência Senado
| Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

As manifestações contra a presidente Dilma Rousseff neste domingo (16) serão as primeiras que contaram com o apoio do PSDB. Mas os caciques tucanos ainda estudam a melhor estratégia para aparecer nos protestos. O paranaense Alvaro Dias (foto) vai ficar em Brasília. Decidirá em cima da hora se comparecerá ao protesto marcado para a Esplanada. Ele foi favorável à adesão tucana às manifestações, mas tem negociado a saída do partido, possivelmente para o PSB. Aécio Neves deve ir ao protesto em Belo Horizonte (MG). Cassio Cunha Lima vai ao evento marcado para João Pessoa (PB). Aloysio Nunes, em São Paulo. Ainda não há confirmação do que fará o governador Beto Richa. Recentemente, ele foi contra a direção nacional do partido e disse que o PSDB deveria permanecer de fora das manifestações.

Presença inesperada

E o protesto na Avenida Paulista, em SP, contará com uma presença inesperada. Celso Marcondes, diretor do Instituto Lula que coordena a aproximação entre o Brasil e países africanos, estará presente no ato. “Acho legítimo o direito de se manifestar e quero sentir as palavras de ordem que vão levar às ruas. Vamos tentar entender o que está acontecendo.”

Bomba sob apuração

A pedido do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a Polícia Federal decidiu, nesta sexta-feira (14), investigar o ataque a bombas feito contra a sede do Instituto Lula, em São Paulo, no dia 31 de julho. O local foi alvo de uma bomba caseira lançada a partir de um carro por volta das 22 horas daquele dia. O explosivo danificou parte do portão da garagem e sua força chegou a trincar a calçada do local. Ninguém saiu ferido, e o instituto classificou o episódio como um atentado político.

De olho em 2016 (1)

As eleições municipais de 2016 são o tema de encontros do PMDB e do PSDB neste sábado (15) em Curitiba. A partir das 9 horas, peemedebistas se reúnem no Hotel Pestana para definir estratégias para as disputas do ano que vem. Há a expectativa de que o deputado estadual Requião Filho seja lançado candidato a prefeito da capital. O encontro terá a presença de Eliseu Padilha, ministro da Aviação Civil e um dos coordenadores políticos do governo federal.

De olho em 2016 (2)

Bem perto dali, no mesmo horário e também na Rua Comendador Araújo, os tucanos vão debater como conquistar as prefeituras do estado em 2016. O presidente do partido no Paraná, deputado estadual Ademar Traiano, vai reunir 76 prefeitos, 47 vice-prefeitos e lideranças do partido na Sociedade Thalia. O encontro terá a presença do governador Beto Richa. No começo do ano, o PSDB decidiu que terá candidatos a prefeito em todos os municípios do Paraná.

Acho que é uma boa oportunidade para mostrar que esse tipo de operação gera emprego e renda em setores de alto valor agregado no Brasil.

Luciano Coutinho, presidente do BNDES, falando sobre empréstimos feitos a outros países e que devem ser um dos focos da CPI sobre o banco na Câmara dos Deputados.

Colaboraram: André Gonçalves e Luis Lomba.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]