Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
 | Reprodução
| Foto: Reprodução

O fechamento das Delegacias da Receita Estadual em Foz do Iguaçu e União da Vitória continua causando desgaste ao governo na Assembleia Legislativa. O clima esquentou na sessão desta terça-feira (11) durante a votação de um requerimento de Chico Brasileiro (PSD) para convocar o secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, para esclarecer a medida. O líder do governo, Luiz Claudio Romanelli (PMDB), menosprezou o pedido e disse que o objetivo do colega era apenas “gerar notícia para colocar no Facebook”. Vários parlamentares saíram em defesa de Brasileiro, que, após muita discussão, concordou em aguardar explicações por escrito do secretário nesta quarta-feira (12). “Não quero confusão, quero resolver. Não basta o secretário responder porque fez. Ele tem que revogar a medida”, disse o deputado do PSD.

Democracia partidária

O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) promove nesta quarta-feira (12), a partir das 14 horas, evento intitulado “Democracia Interna dos Partidos & Recrutamento de Candidatos”. Com a participação de ministros, desembargadores e professores universitários, o debate será realizado no auditório do tribunal, em Curitiba.

Resolvendo no braço 1

A Câmara de Curitiba voltou a ter cenas de baixaria (foto) na sessão desta terça-feira (11). Professor Galdino (PSDB) e Paulo Salamuni (PV) discutiram no meio do plenário, e tiveram que ser separados pela turma do deixa disso. Tudo começou quando Galdino foi a plenário criticar os vereadores por aprovar a adesão de Curitiba ao Consórcio de Informática na Gestão Pública Municipal (Ciga). O tucano acusou os colegas de votarem junto com o prefeito “porque tem cargos na prefeitura”.

Resolvendo no braço 2

Irritado, Salamuni foi interpelar Galdino no meio do plenário. Os dois se encararam e trocaram ofensas, mas não foi possível ouvir exatamente o que estavam dizendo. De suas cadeiras, vários vereadores gritavam que o tucano iria se jogar – em referência ao episódio com Felipe Braga Côrtes (PSDB), em 2013, quando foi ao chão por uma suposta agressão. No fim, Tiago Gevert (PSC) e Carla Pimentel (PSC) tiveram que escoltar Galdino para fora do plenário e a sessão continuou sem ele.

Afinando o discurso

O presidente estadual do PSDB e da Assembleia Legislativa, Ademar Traiano, participou nesta terça-feira (11) de uma reunião com outros dirigentes regionais e o presidente nacional da legenda, senador Aécio Neves (MG), em Brasília. Na pauta, o alinhamento para as manifestações do próximo domingo (16) contra a presidente Dilma Rousseff. “Uma das decisões é não subir no palanque”, disse. Segundo ele, ao contrário da cúpula do tucanato nacional, a executiva paranaense não fez nem convocações para os protestos. “Nós apoiamos, mas mais no sentido de colaborar.”

OAB indignada

Causou polêmica o parecer do deputado Ricardo Barros (PP-PR), na CCJ da Câmara, ao projeto que elimina a necessidade do exame da OAB para o exercício da advocacia. Em nota, a OAB do Paraná classificou a decisão como “irresponsável e inconsequente, por pretender acabar com um dos melhores filtros para o exercício qualificado da advocacia”. O texto afirma que a medida vai chancelar “a baixa qualidade do ensino jurídico no Brasil, cuja quantidade de cursos assombra o mundo”. Barros rebateu e disse que a OAB nunca buscou dialogar sobre a proposta, que foi apresentada por 25 parlamentares. Ainda assim, ele se colocou à disposição para discutir o assunto.

Tudo o que vem sendo revelado [na Operação Lava Jato] ultrapassa a nossa capacidade de imaginação.

Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal, para quem os números do caso são estratosféricos e indicam que há uma corrupção sistêmica na Petrobras.

Colaboraram: André Gonçalves, Chico Marés e Luis Lomba.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]