i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Senado

Comissão aprova nome de Francisco Falcão para CNJ

A indicação deve ser votada no plenário do Senado depois do dia 26 de junho, após "recesso branco" para os parlamentares participarem da Rio+20

  • PorFolhapress
  • 13/06/2012 15:59

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira (13) a indicação do ministro Francisco Falcão, do STJ (Superior Tribunal de Justiça), para o cargo de corregedor-geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Se tiver o nome aprovado pelo plenário do Senado, Falcão vai substituir a atual corregedora Eliana Calmon.

A indicação de Falcão foi aprovada na comissão por unanimidade dos 20 senadores presentes à reunião e segue agora para votação no Plenário.

Calmon causou polêmica por defender maiores poderes do CNJ para punir magistrados, entrando em rota de colisão com o então presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Cesar Peluso. Ela chegou usar a expressão "bandidos de toga" para se referir aos magistrados investigados. Calmon e Peluso trocaram farpas publicamente sobre as competências de investigação do CNJ.

Na sabatina, o senador Pedro Taques (PDT-MT) questionou se Falcão seria mais "pelusiano" ou "calmoniano" durante sua gestão na corregedoria, numa alusão à disputa entre a corregedora e o ex-presidente do STF. O ministro preferiu não polemizar com sua antecessora nem com Peluso.

"Estou numa posição intermediária, de equilíbrio. Não podemos desmoralizar o Judiciário e, ao mesmo tempo, temos que ser duros quando houver desvio de conduta."

Falcão disse que o CNJ deve ser um órgão que fiscaliza a atuação do Poder Judiciário ao mesmo tempo que também deve formular políticas para a Justiça do país. Mas prometeu agir com rigor para apurar denúncias.

"Se deixar [a fiscalização] exclusivamente nas corregedorias locais, não funciona. Pretendo trabalhar junto com as corregedorias, mas onde não tiver punição, o CNJ entra. E com mão de ferro. Não tergiversarei, mas sempre em defesa do magistrado."

A indicação de Falcão deve ser votada no plenário do Senado depois do dia 26 de junho, pois na semana que vem a Casa vai realizar uma espécie de "recesso branco" para os parlamentares participarem da Rio+20. Falcão é ministro do STJ desde 1999.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.