Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. De olho em votos, Dilma inicia processo de “mineirização”

sucessão nacional

De olho em votos, Dilma inicia processo de “mineirização”

  • Agência Estado
Lula e Dilma: ministra visitará Minas com e sem o presidente ao lado |
Lula e Dilma: ministra visitará Minas com e sem o presidente ao lado
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Belo Horizonte - A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, desembarca hoje em Minas Gerais, juntamente com o presidente Lula, para a primeira de inúmeras visitas já previstas ao estado neste ano. Com o governador Aécio Neves (PSDB) fora da disputa presidencial, os aliados da pré-candidata petista trabalham para que ela conquiste os mineiros e garanta uma boa diferença de votos no segundo maior colégio eleitoral do país.

Hoje, junto com Lula, a pré-candidata à Presidência estará em três cidades mineiras: Jenipapo de Minas, Araçuaí (ambas do norte de Minas) e Juiz de Fora. O motivo da viagem é a inauguração da Barragem de Setúbal, uma obra que custou R$ 160 milhões e era esperada desde a década de 1980 pela população de Jenipapo de Minas. Em Araçuaí, a agenda é a inauguração de um centro federal de educação tecnológica. De lá, a comitiva seguirá para Juiz de Fora, na Zona da Mata, onde será reinaugurada uma termelétrica que foi convertida para operação a etanol. É a primeira termelétrica a funcionar com o álcool.

Apesar da presença de Lula, as viagens de Dilma a Minas não estão condicionadas a eventos presidenciais. Além dos eventos oficiais, onde estará acompanhando seu principal cabo eleitoral, a ministra também estará em Minas por conta própria, seja simplesmente para visitar a mãe – que mora no estado – ou para receber ho­­­me­­nagens. Já estão previstas a concessão do diploma de honra ao mérito da Câmara dos Verea­­­dores de Belo Horizonte e uma homenagem da Assembleia Legislativa do Estado.

O argumento para as homenagens é a contribuição da ministra ao liberar verbas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para obras como a duplicação da Avenida Antônio Carlos, na capital. Nos compromissos já confirmados, está também um encontro de jovens organizados pelo presidente do diretório mineiro do PT, o deputado federal Regi­­­naldo Lopes. O objetivo é fazê-la passar o máximo de tempo possível em Minas Gerais.

A estratégia petista é convencer o eleitorado que, embora tenha passado a maior parte de sua vida fora de Minas, a ministra é mineira de nascimento e tem profundas raízes com o estado.

Com Aécio na disputa, a chance de a estratégia decolar era vista com reservas, inclusive entre os petistas. Mas, com a decisão o governador mineiro de desistir da disputa e deixar a vaga de candidato tucano para o paulista José Serra, os aliados da ministra ficaram mais animados. Os petistas acreditam – e a maior parte dos analistas políticos concordam – que haverá um sentimento “anti-Serra” no eleitorado de Aécio, favorecendo o crescimento da campanha de Dilma em Minas. O cenário será outro, po­­­rém, se Aécio acabar aceitando a composição puro-sangue, saindo como vice na chapa de Serra. Mas, como até agora, o governador não definiu um posicionamento, a avaliação é de que o terreno está livre para Dilma.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE