i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
investigação

Deputados rejeitam convocação de Cunha na CPI da Petrobras

    • brasília
    • Folhapress Web
    • 20/08/2015 12:59

    Deputados integrantes da CPI da Petrobras na Câmara defenderam nesta quinta-feira (20) o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que deve ser alvo de denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR), e rebateram pedido do PSol para convocar Cunha na comissão.

    O presidente da CPI, deputado Hugo Motta (PMDB-PB), disse que a convocação de Cunha tiraria o “foco da investigação” e que a denúncia da PGR não pode mover a CPI. “Não posso aqui funcionar de acordo quando as denúncias são feitas ou deixam de ser feitas. A CPI não pode mudar o seu rito por que a denúncia foi feita”, disse Motta.

    Sessão da CPI da Petrobras é marcado por bate-boca

    Leia a matéria completa

    O deputado Ivan Valente (PSol-SP) afirmou que a convocação de Cunha seria uma demonstração da “independência” da CPI. “O senhor Eduardo Cunha precisa depor na CPI”, afirmou. Valente também defendeu que seja marcado o depoimento do lobista Julio Camargo, que afirmou em delação premiada ter pago US$ 5 milhões de propina a Cunha. A convocação do delator já foi aprovada, mas o depoimento ainda não foi agendado.

    Quando foi alvo da abertura de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF), Cunha foi espontaneamente à CPI prestar depoimento. Na ocasião, rebateu as acusações e foi mais aplaudido pelos deputados do que questionado.

    Agora, o PSol defende que seja aprovado o requerimento para convocá-lo, o que criaria um constrangimento político na Casa. O presidente da CPI é aliado próximo de Cunha.

    Outros deputados também saíram em defesa do presidente da Câmara. O deputado Celso Pansera (PMDB-RJ) chamou de “lenga-lenga” o pedido de Valente e disse que “isso enche o saco”. Pansera já foi acusado pelo doleiro Alberto Youssef de ser “pau-mandado” de Cunha, por ter apresentado requerimentos contra familiares do doleiro, que em sua delação também afirmou que o presidente da Câmara se beneficiou de propina.

    Já o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) questionou a mudança na delação de Camargo, que só incluiu Cunha no mês passado, apesar de ter firmado delação no ano passado sem citar o presidente da Câmara. O delator justificou que não denunciou Cunha inicialmente por medo de represálias. “Essa sede de denúncias nos preocupa”, disse Marun.

    O deputado João Carlos Bacelar (PR-BA) afirmou que Ivan Valente estava “antecipando o julgamento da PGR em relação ao presidente da Câmara”.

    Doleiro

    Em depoimento à CPI, o doleiro Raul Srour fez críticas às perguntas dos parlamentares e disse que poderia ser “falta da aplicação da lição de casa”. “Estão dizendo que eu fazia parte do [escândalo do] Banestado, pelo jeito vocês não leram nada”. Deputados ficaram irritados e pediram “respeito”. Munido de habeas corpus que lhe permitia ficar calado, Srour negou as acusações e disse que suas atividades de câmbio eram legais.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.