Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Rossoni: "não defendam absurdos". | Jonathan Campos / Gazeta do Povo
Rossoni: "não defendam absurdos".| Foto: Jonathan Campos / Gazeta do Povo

"Não me peça para julgar meu pai", diz Zeca Dirceu

Zeca Dirceu (PT) acaba de se tornar deputado federal. Não com a votação arrebatadora que projetavam os institutos de pesquisa, que o colocavam ao lado de Anthony Garotinho e ACM Neto como possíveis campões de popularidade no país.

Leia a matéria completa

Apesar de ainda faltarem três meses para Beto Richa (PSDB) assumir o governo do Paraná, a futura bancada de apoio ao governador eleito na Assembleia Legislativa já conquistou a primeira vitória tucana na Casa. Ontem, no primeiro dia de votação de projetos depois das eleições, a atual bancada de oposição conseguiu barrar uma proposta enviada ao Legislativo pelo governador Orlando Pessuti (PMDB). O episódio dá sinais de que Richa não deverá enfrentar dificuldades para obter maioria na Casa.

A proposta do Executivo trata da instituição da Política Estadual de Fomento à Economia Solidária no estado, que permite à população de baixa renda desenvolver grupos organizados de atividades econômicas – como associações e cooperativas – para entrar formalmente no mercado. Ontem, durante a segunda discussão da matéria, o líder da oposição, Élio Rusch (DEM), apresentou um requerimento solicitando a retirada do projeto por dez sessões, sob o argumento de que a proposta trará impactos para o novo governo. "O projeto não será implantado pelo atual governo. Como diz respeito à futura administração, é preciso que seja analisado pela equipe de transição. Não há motivo para a Assembleia atropelar esse processo", argumentou. O discurso foi seguido pelo presidente estadual do PSDB, Valdir Rossoni, que classificou a medida como uma prevenção. "O Paraná foi governado durante oito anos pelo mesmo partido. Agora só queremos um prazo para avaliar melhor o projeto", afirmou.

Visivelmente irritado, o líder do governo, Caíto Quintana (PMDB), tachou o posicionamento da oposição como inadmissível e afirmou que, se o atual governo não pode mais aprovar projetos na Assembleia, a Casa poderia entrar em recesso branco até o fim do ano. "Por acaso o futuro governo é contra a distribuição equitativa das riquezas, o desenvolvimento integrado e sustentável, a valorização do ser humano e do trabalho?", ironizou, ao citar trechos da proposta.

Apesar de o deputado Antonio Anibelli (PMDB), que presidia a sessão, ter tentado negociar um acordo entre as bancadas, o requerimento da oposição foi aprovado por 20 votos contra 12.

O resultado da votação já é uma mostra de que Richa, cuja coligação elegeu 25 dos 54 novos parlamentares, certamente terá maioria na Casa. Dos 13 deputados peemedebistas eleitos na chapa adversária, por exemplo, comenta-se que os únicos que devem se manter na oposição ao novo governador são Caíto Quintana, Nereu Moura e Waldyr Pugliesi. A posição dos sete parlamentares eleitos pelo PDT e pelo PSC ainda é uma incógnita. Por enquanto, a única oposição tida como certa ao futuro governo é a dos seis deputados petistas eleitos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]