i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Eleições 2016

Em ano eleitoral, vereadores devem protagonizar “troca-troca” de partidos

Indefinições sobre a disputa pela prefeitura de Curitiba deixam vereadores apreensivos sobre o futuro na Casa

  • PorLaura Beal Bordin
  • 18/02/2016 10:32
Plenário da Câmara de Curitiba: indefinições. | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Plenário da Câmara de Curitiba: indefinições.| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

Em ano eleitoral, as indefinições sobre a disputa pela prefeitura de Curitiba – que hoje conta com 11 pré-candidatos – podem interferir na composição das cadeiras na Câmara Municipal. Hoje, a maioria dos vereadores está na base de apoio ao prefeito Gustavo Fruet (PDT), mas a configuração pode mudar caso Ratinho Júnior (PSC) aceite ser candidato ou Rafael Greca (PMN) aceite o convite para se juntar ao DEM para disputar o cargo. Neste caso, seis vereadores do PSC e outros dois do DEM deixariam o apoio à Fruet.

Com várias possibilidades na disputa pela prefeitura, os vereadores também aguardam um posicionamento de seus partidos sobre as chapas para as eleições proporcionais, que podem interferir nos votos de legenda. A tendência é que estas definições sejam feitas mais próximas às eleições, mas a preocupação começa desde já. “É um mosaico que vai ter que se estruturar até o começo do próximo mês, mesmo sem as definições”, explicou o líder do governo na Casa, Paulo Salamuni (PV).

A conversa nos bastidores é que pelo menos quatro vereadores já estariam buscando novas legendas, aproveitando a “janela” regulamentada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que se fecha no dia 2 de abril. Com a aprovação da minirreforma eleitoral, quem for disputar uma eleição deverá estar filiado a partido político somente seis meses antes do pleito. O prazo anterior era de um ano. Para não perder seus mandatos, os candidatos foram beneficiados pela chamada “janela da infidelidade”, que permite a desfiliação nos 30 dias anteriores ao fim do prazo de filiação – ou seja, dia 2 de março.

PDT seria o maior beneficiado

De acordo com os vereadores entrevistados pela Gazeta do Povo, o maior beneficiado pelo “troca-troca” eleitoral seria o partido do prefeito e candidato à reeleição Gustavo Fruet, o PDT, que formaria um “chapão do poder” na disputa. Entre os vereadores que devem procurar o partido estão os petistas Jonny Stica e Pedro Paulo, que devem deixar o Partido dos Trabalhadores no próximo mês.

Vitória de Picciani dá alívio ao Planalto, mas união do PMDB ainda é desafio

Leia a matéria completa

Jonny Stica confirmou que está conversando com outros partidos, mas que não há definições sobre o seu futuro. “Vou deixar para decidir mais próximo da data”, disse. O vereador Pedro Paulo foi procurado pela reportagem mas não atendeu as ligações. Outros dois vereadores que estariam estudando deixar seus partidos são os vereadores Luis Felipe Braga Côrtes (PSDB) e Dirceu Moreira (PSL). Procurados pela reportagem, nenhum dos dois vereadores retornou as ligações.

O PV, um dos partidos da base de Fruet, não deve acolher os vereadores com mandato para não tirar chances das lideranças e apostas da legenda. De acordo com o vereador Cristiano Santos (PV), o partido já definiu que não deve receber vereadores com mandato, para não prejudicar os que já fazem parte da legenda. Porém, uma das vagas pode ficar em aberto, caso o vereador Paulo Salamuni seja escolhido como vice na chapa de Fruet. O vereador não confirmou que seu nome seja o escolhido, mas enfatizou que o PV teve um trabalho importante na base do atual prefeito e que seu nome deve ser levado em consideração na hora da escolha. “Este já é meu sétimo mandato como vereador, sou servidor de carreira. Esta é uma questão que será discutida com o grupo, mas a experiência já tenho”, comentou.

Outra troca que pode acontecer nos próximos meses é a saída do vereador Paulo Rink, hoje no PR, por infidelidade partidária. Isso porque Rink deixou o PPS, partido pelo qual se elegeu em 2012 e o primeiro suplente, Diogo Busse (PPS), entrou na Justiça em busca da vaga. De acordo com a legislação eleitoral, a vaga de Rink na Câmara de Vereadores pertence à legenda. Rink já afirmou que foi aconselhado pelos advogados a não comentar o caso.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.