i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Direitos Humanos

Em Curitiba, manifestantes protestam contra o deputado Marco Feliciano

O protesto começou por volta das 17h30, na Praça Santos Andrade. De lá, manifestantes seguem até a Boca Maldita, na Rua XV de Novembro

  • PorAngieli Maros, com agências
  • 06/04/2013 15:08
O ato deste sábado foi o quarto contra Feliciano realizado em Curitiba | Brunno Covello/Gazeta do Povo
O ato deste sábado foi o quarto contra Feliciano realizado em Curitiba| Foto: Brunno Covello/Gazeta do Povo

Cerca de 200 pessoas participam, em Curitiba, de uma caminhada contra a permanência do deputado Marco Feliciano (PSC) na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados, na tarde deste sábado (6). O protesto começou por volta das 17h30, na Praça Santos Andrade, em frente ao prédio histórico da Universidade Federal do Paraná (UFPR). No local, foram feitos discursos por representantes de movimentos sociais e leitura de cartas abertas. Às 18 horas, os manifestantes iniciaram a caminhada até a Boca Maldita, na Rua XV de Novembro.

Este é o quarto ato "Fora Feliciano" organizado em Curitiba. De acordo com um dos organizadores do evento, Gustavo Bitencourt, a intenção não é apenas pressionar a saída do deputado da presidência da CDHM, mas também discutir a permanência em maioria do PSC na comissão bem como o método de formação de outras comissões parlamentares do governo. "É importante ter diversidade de pensamento, não apenas um tipo de visão", explica o organizador.

Segundo Bitencourt, enquanto o congresso não definir o futuro da CDHM, outros protestos ainda virão. "Se vamos continuar fazendo manifestações ou não, depende do congresso. Você vê a recusa das pessoas claramente quanto a posse de Feliciano, e vamos atrás para mudar isso, mas a gente não tem tido retorno. Enquanto não conseguirmos, vamos continuar nos mobilizando", disse.

Neste final de semana, protestos semelhantes também mobilizam moradores das cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Fortaleza, Belém, Vitória, Brasília, entre outras.

Direito garantidoNesta sexta-feira (5), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, disse que a sociedade tem todo o direito de se manifestar contrariamente à presença do deputado Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados. A declaração foi feita em resposta a um estudante da Universidade de Brasília (UnB), onde o ministro fez palestra em evento de recepção aos novos alunos.

Barbosa brincou que já esperava passar por alguma saia justa durante evento na universidade, e em seguida respondeu à pergunta. "O deputado Marco Feliciano foi eleito pelos seus pares. Os deputados assim o fizeram porque está previsto regimentalmente. Agora, a sociedade tem também todo o direito de se exprimir, como vem se exprimindo, contrariamente à presença dele nesse cargo. Isso é democracia", disse.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.