i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
crise política

Gleisi acusa tucanos de ‘golpe’ e Aloysio Nunes reage

Durante o seu discurso na tribuna do Senado, a ex-ministra da Casa Civil se disse “assustada” com o tom adotado pelas principais lideranças do PSDB na convenção do partido

    • Estadão Conteúdo
    • 06/07/2015 18:21
    Gleisi criticou a ação que o PSDB move no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para cassar o mandato da presidente Dilma Rousseff | /Agência Senado
    Gleisi criticou a ação que o PSDB move no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para cassar o mandato da presidente Dilma Rousseff| Foto: /Agência Senado

    Os senadores Gleisi Holffmann (PT-PR) e Aloysio Nunes (PSDB-SP) bateram boca nesta segunda-feira, 6, no plenário do Senado. Após a petista dizer que o PSDB planejava um “golpe” contra a presidente Dilma Rousseff, o tucano pediu um aparte e disse que não iria admitir ser chamado de “golpista”.

    Assista ao vídeo do bate-boca entre os senadores

    Durante o seu discurso na tribuna do Senado, a ex-ministra da Casa Civil se disse “assustada” com o tom adotado pelas principais lideranças do PSDB na convenção do partido realizada no domingo, 5. A petista acusou o PSDB de promover um “terceiro turno” da eleição e de planejar um “golpe” para tirar a presidente do poder. “Um partido não pode se prestar a esse papel. Nós temos de parar com essa balbúrdia. Golpe não podemos aceitar. Golpe não serve à nossa democracia”, afirmou.

    Gleisi criticou a ação que o PSDB move no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para cassar o mandato da presidente Dilma Rousseff. Ela defendeu que não há fatos concretos contra a campanha de Dilma e que as doações feitas à petista pelas empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato são tão legítimas quanto as recebidas pelo PSDB das mesmas empresas.

    Em outra frente, ela afirmou que as chamadas “pedaladas fiscais” condenadas pelo Tribunal das Contas da União (TCU) também foram praticadas pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e, portanto, não seriam um motivo para levar ao impeachment de Dilma. “É legítima a crítica, é legítimo o debate, o que não é legítimo é o golpe. O golpe não é legítimo. Dizer que tem de afastar uma presidente da República sem mostrar o motivo. Qual é o motivo?”, questionou.

    Ao ouvir o pronunciamento de Gleisi, Aloysio pediu um aparte e disse que os argumentos da petista eram uma “barbaridade” e que ele não aceitava ser chamado de golpista. “Estou aqui fervendo, ouvindo essas barbaridades”, disse. “Isso é um insulto a um partido político brasileiro cujas credenciais democráticas não podem ser contestadas pelo Partido dos Trabalhados”, afirmou.

    Gleisi, então, rebateu e disse que não o havia chamado de “golpista”, mas que, pelo visto, a “carapuça havia servido”.

    Mais tarde, na tribuna, Aloysio voltou ao assunto e disse que não deseja o fim do governo Dilma, mas que o PSDB estaria preparado para “cumprir o seu papel” caso essa fosse a decisão do TSE. “Eu não desejo o fim do governo da presidente Dilma. Eu quero ganhar no voto em 2018, mas se a Justiça trabalhar, cumprir o seu papel, e decidir no sentido de interromper o mandato, estaremos em condição de fazer uma transição tranquila e assumir as rédeas governo”, afirmou o tucano.

    Presente no plenário, o vice-presidente do PMDB, senador Valdir Raupp (RR), também saiu em defesa da presidente e afirmou que há “uma campanha deliberada” contra Dilma e o vice-presidente Michel Temer, que é do PMDB, inclusive de “setores do TCU”. “Não há nada concreto contra a presidente. Até o momento o que está se fazendo é uma campanha deliberada para derrubar a presidente, inclusive de setores do Tribunal de Contas da União”, disse.

    Tanto Gleisi quanto Raupp estão sendo investigados pelos desvios na Petrobras apurados no âmbito da Operação Lava Jato.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.