i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Delação bombástica

Gleisi recebeu R$ 4 milhões da Odebrecht a pedido de Dilma, diz revista

De acordo com a revista “IstoÉ”, a senadora teria se endividado na campanha ao governo do Paraná em 2014 e pediu ajuda a ex-presidente

  • PorLaura Beal Bordin
  • 09/12/2016 20:02
Gleisi Hoffmann. senadora pelo Paraná | Edilson Rodrigues/Agência Senado
Gleisi Hoffmann. senadora pelo Paraná| Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) teve o nome novamente vinculado à Operação Lava Jato. Desta vez, o nome da parlamentar paranaense aparece na “bombástica” delação do empreiteiro Marcelo Odebrecht. De acordo com a revista IstoÉ , Gleisi teria recebido R$ 4 milhões da empreiteira para sanar dívidas da campanha ao governo do Paraná em 2014. Segundo a reportagem, o pagamento teria sido feito a pedido da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), durante o segundo turno das eleições presidenciais.

De acordo com a revista, Odebrecht disse em delação que Gleisi teria pedido socorro financeiro à Dilma por conta da dívida que fez durante a campanha ao governo do estado, já que o Partido dos Trabalhadores teria se recusado a ajudá-la para investir em candidatos competitivos, com chance de ir para o segundo turno. Gleisi teria então solicitado ajuda diretamente à presidente para pagar as dívidas - entre elas, uma fatura com o marqueteiro responsável pela campanha.

Ministro do STF autoriza a abertura de novo inquérito contra Gleisi na Lava Jato

Leia a matéria completa

Dilma teria entrado em contato com o tesoureiro da campanha dela à Presidência, Edinho Silva, que conversou com Fernando Migliaccio, executivo responsável pelo setor de Operações Estruturadas empreiteira - também conhecido como o “setor de propinas”, de acordo com os investigadores da Lava Jato. Com autorização de Marcelo Odebrecht, Migliaccio teria marcado então um encontro entre um sócio do marqueteiro da campanha da senadora e Leones Dall’Agnol, chefe do gabinete de Gleisi, no escritório da empreiteira em São Paulo, onde foi acordado o pagamento de R$ 4 milhões, que não teriam sido incluídos na prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Ainda de acordo com a revista IstoÉ, Marcelo Odebrecht deverá dar detalhes sobre essa e outras operações aos investigadores da força-tarefa da Lava Jato nos próximos dias.

Segunda aparição

A senadora Gleisi Hoffmann é ré em uma ação penal da Lava Jato por suspeita de receber ilegalmente R$ 1 milhão para sua campanha ao Senado em 2010. A ação corre no Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com a Procuradoria Geral da República, o dinheiro seria originário da Petrobras e foram entregues a mando do doleiro Alberto Yousseff.

Outro lado

Por meio de sua assessoria de imprensa, Gleisi Hoffmann afirmou que não se pronunciará sobre matérias publicadas que se baseiam exclusivamente em vazamento de informações.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.