Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. Grupo vai à Justiça para ficar longe de defensores da ditadura durante ato

evitar confusão

Grupo vai à Justiça para ficar longe de defensores da ditadura durante ato

Carro de som do grupo deve ficar a distância mínima de 400 metros dos levados por grupos que pedem a intervenção militar

  • Estadão Conteúdo
Manifestação está marcada para domingo, na Avenida Paulista. | NACHO DOCE/REUTERS
Manifestação está marcada para domingo, na Avenida Paulista. NACHO DOCE/REUTERS
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O Movimento Brasil Livre, um dos principais organizadores dos protestos pró-impeachment da presidente Dilma Rousseff, tenta garantir na Justiça que seu carro de som fique a uma distância mínima de 400 metros dos levados por grupos que pedem a intervenção militar. A expectativa é de que a decisão da Justiça saia amanhã, dois dias antes do protesto marcado na Avenida Paulista, em São Paulo, e em centenas de cidades brasileiras.

A iniciativa, no entanto, esbarra, principalmente, na resistência do SOS Forças Armadas, que evoca o direito constitucional de livre manifestação. “O art. 5º da Constituição garante o direito à manifestação em qualquer hora e lugar, desde que seja sem anônimos, armas ou violência. Não é nosso caso”, disse o representante do grupo, Renato Tamaio. “Se eles insistirem com isso, vamos processar o MBL”, completou.

O coordenador jurídico do MBL, Rubens Nunes Filho, rebate usando também artigos da Constituição. Segundo ele, o inciso 16 do artigo 5º da Carta determina que uma manifestação não pode atrapalhar outra previamente agendada. “O MBL foi o primeiro grupo a protocolar o protesto, às 10 horas do dia 16 de março. Temos a preferência”, disse.

No protesto de março, quando milhares de pessoas ocuparam a Paulista, os carros de som dos dois grupos ficaram estacionados praticamente no mesmo espaço, em frente ao vão do Masp, que tradicionalmente é ocupado em manifestações. De acordo com um dos líderes do MBL, Renan Santos, isso prejudicou o grupo, que prega ideais liberais e discorda da ideia de intervenção militar.

Em reunião realizada na quarta-feira, 8, à tarde em São Paulo, intermediada pela Polícia Militar, os oito grupos que pretendem participar do manifesto de domingo decidiram de que forma os carros de som ficarão dispostos na Avenida Paulista. Pelo que ficou acordado, o trio elétrico do MBL ficará em frente ao Masp, enquanto os quatro carros de som que o SOS Forças Armadas pretende levar ficarão entre as Alamedas Campinas e Joaquim Eugênio de Lima - uma distância de mais de 500 metros.

Entre os dois grupos, na altura da Alameda Pamplona, ficará o Vem Pra Rua, grupo mais moderado que prega o Fora Dilma, mas não o impeachment neste momento. O coletivo é contra a intervenção. Seu porta-voz, Rogério Chequer, demonstra incômodo com a proximidade com o SOS Forças Armadas. “A Paulista é grande demais para abrigar todos os grupos e todas as ideologias. Não há necessidade de os grupos ficarem juntos, fazendo guerra de microfones”, disse, lembrando que a disposição dos carros ainda não é definitiva.

A Polícia Militar, por meio de sua assessoria, informou que estará “trabalhando para identificar grupos antagonistas e garantir a segurança entre eles”. A PM estima que entre 10 e 16 carros de som serão levados para a Paulista neste domingo. O número definitivo, entretanto, só será conhecido no dia do protesto. Pela manhã, todos os veículos serão vistoriados pela própria PM e pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e, uma vez liberados, seguirão em comboio para os locais preestabelecidos. Assim como aconteceu em 15 de março, eles não estão autorizados a circular.

No domingo, 12, o vão do Masp ficará isolado. O espaço será utilizado para abrigar estruturas da PM, como um posto de comando, e ambulâncias. A PM informa que a Avenida Paulista será fechada ao meio-dia, duas horas antes do horário marcado para o início do protesto. O encerramento está marcado para as 19 horas.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE