Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

MP abre inquérito para investigar Kassab

A Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e Social, braço do Ministério Público (MP) que investiga improbidade, vai abrir um inquérito civil para apurar as acusações feitas por uma testemunha protegida que afirma ter ouvido do auditor fiscal Ronilson Bezerra Rodrigues, apontado como chefe da máfia do Imposto Sobre Serviços (ISS) em São Paulo, que o ex-prefeito paulistano Gilberto Kassab (PSD) recebeu "uma verdadeira fortuna" da Controlar, empresa contratada na gestão dele para fazer a inspeção veicular na capital. O caso foi revelado nesta quinta (16) pelo jornal O Estado de S. Paulo. Ambos negam a afirmação.

Leia mais

A Justiça de São Paulo absolveu o ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), e virtual candidato ao governo paulista, de ter beneficiado a empresa Controlar, responsável pela inspeção veicular até o dia 31 de janeiro.A acusação, feita pelo Ministério Público, era de que Kassab havia assinado um contrato ilegal com a concessionária Controlar. A gestão anterior resolveu reativar a inspeção em 2007. A licitação feita em 1996, na gestão Paulo Maluf (PP), não estaria mais válida em 2007, segundo o Ministério Público.

A decisão, publicada nesta quinta-feira (16), é assinada pelo juiz Luiz Raphael Valdez, da 7ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. "Os fatos imputados na denúncia não caracterizam infração penal", escreveu Valdez. O ex-presidente da empresa Controlar, Ivan Pio de Azevedo, também réu na mesma ação, foi absolvido pela decisão judicial.

"Fortuna"

A absolvição do ex-prefeito aconteceu no mesmo dia em que foi divulgado que uma testemunha ouvida pelo Ministério Público na investigação da máfia do ISS acusou Kassab de receber uma "fortuna" da Controlar.

Segundo essa testemunha, o dinheiro ficou no apartamento do então prefeito e foi transferido de avião para uma fazenda em Mato Grosso, numa operação capitaneada pelo empresário Marco Aurélio Garcia. Ex-prefeito diz que o depoimento é "falso e fantasioso"; a Controlar nega "veementemente".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]