i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
cassação

Líderes cobram data para votar processo de Cunha no plenário da Câmara

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, ainda nem marcou a leitura do processo

    • Brasília
    • Agência O Globo
    • 01/08/2016 19:15
     | Luis Macedo/Câmara dos Deputados
    | Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

    Mesmo com a cobrança enfática de alguns líderes partidários, em almoço nesta segunda-feira (1º), para ler em plenário e marcar a votação do processo contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para a próxima semana, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ainda resiste. Na reunião, segundo líderes, Rodrigo Maia foi pressionado pelos líderes do PT, PSOL, PDT, Rede, PPS, PSDB e DEM para que seja marcada a data de votação em plenário seja marcada. O novo presidente disse que está estudando o melhor momento e não quis comprometer-se nem mesmo em marcar o dia da leitura em plenário, uma etapa regimental importante para viabilizar a votação.

    Assim como há pressão para votação rapidamente, haveria pressão contrária para que a apreciação aconteça após a votação do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. No almoço com líderes, Maia disse que a leitura pode acontecer nesta quarta-feira ou na próxima semana.

    Desfecho do impeachment, cassação de Cunha e Olimpíadas: agosto, o mês interminável

    Leia a matéria completa

    “O ‘centrão’ e o Temer querem jogar para depois do impeachment com medo do Cunha abrir a boca. A melhor semana para votarmos é a semana que vem, antes do início da campanha eleitoral no dia 16 de agosto. Se ele (Maia) vacilar e não ler até esta quarta-feira, abre brecha para a votação não acontecer em agosto”, afirmou o líder do PSol, Ivan Valente (SP).

    O líder da Rede, Alessandro Molon, (RJ) também engrossou o coro da cobrança para que a leitura do processo seja feita ainda esta semana para que a Casa possa votar na próxima semana o processo no plenário. Molon argumenta que a segunda semana de agosto será uma “janela” importante de votação antes do início da eleição municipal.

    “Semana que vem temos é a janela e não desculpa para não votar (o processo do Cunha), a não ser que a Casa decida adiar por outras razões. A Câmara precisa virar essa página, e os deputados que decidirem faltar, que se expliquem com seus eleitores. O impeachment está no Senado, o assunto da Câmara é a cassação do Cunha, e uma coisa não tem nada a ver com a outra”, cobrou Molon.

    Pelo regimento, o processo tem que ser lido por Maia em sessão plenária ordinária para que, a partir da leitura, seja publicado no Diário Oficial da Câmara. Pelas regras, depois de publicado, em dois dias úteis tem que ser pautado com prioridade para votação pelo plenário. Mas, ao contrário do que acontece no Conselho de Ética e na Comissão de Constituição e Justiça, não há trancamento da pauta. Ou seja, mesmo se não votar o processo contra Cunha, o plenário pode votar outros projetos que estão na pauta. A inclusão na pauta depende da vontade do presidente da Casa. Normalmente os presidentes costumam chamar uma sessão, com pauta única, para apreciar processos por quebra de decoro parlamentar.

    Cunha prepara mandado de segurança para impedir cassação no plenário

    Leia a matéria completa

    Mais cedo, em entrevista, Maia disse que a data dependerá do quórum e que trabalharia para que a votação aconteça ainda em agosto. Ao deixar o almoço com os líderes partidários, Rodrigo Maia não deu entrevista à imprensa. Valente e outros deputados avisaram que irão cobrar em plenário que a data seja marcada. Na reunião, Maia teria dito que irá pegar o histórico das votações de processo contra parlamentares, ver os que foram mais rápidos e mais lentos, e fazer uma média para decidir sobre a votação de Cunha.

    Um dos fatores que fez com que alguns deputados da nova oposição apoiassem a eleição de Maia contra o candidato do centrão, o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), foi a garantia de que não iria evitar a votação do processo contra Cunha. Maia foi um importante aliado de Eduardo Cunha no início da legislatura, ganhando importantes relatorias, como a da reforma política. Os dois se afastaram depois que Cunha agiu para que Michel Temer não aceitasse a indicação de Rodrigo Maia para a Liderança do Governo na Câmara e indicasse o candidato do centrão, André Moura (PSC-SE).

    A cobrança para que Rodrigo Maia marque a data de votação do processo contra Cunha foi feita, no almoço desta segunda - o primeiro do novo presidente com os líderes - por partidos da nova e da velha oposição. Os líderes dos partidos do centrão, segundo outros líderes presentes, não se manifestaram.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.