O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez nesta terça-feira (14) um apelo para que governadores e prefeitos atuem em parceria com o governo federal, deixando para o período eleitoral diferenças partidárias e ideológicas. Na campanha, sei quem são meus adversários, mas, na época de governar, não tenho adversários, porque é preciso governar para o povo brasileiro, disse Lula, durante a inauguração de um projeto de reurbanização da orla de Maceió.

A obra resulta de parceria entre o governo federal e a prefeitura da capital alagoana. A União entrou com R$ 4,3 milhões e o município, com R$ 1,3 milhão. Com extensão de 2,2 quilômetros, o trecho revitalizado valoriza o espaço para pedestres e dispõe de um terminal de comercialização de pescado e mariscos, ciclovia e posto de guarda-vidas.

Lula definiu a história recente de Alagoas como sendo de total calamidade, mencionando greves da Polícia Civil e de professores e defendeu a recuperação econômica do estado.O que precisamos fazer é consertar o estado para que ele se transforme em um estado com receita própria, com autonomia e com capacidade de investimentos, afirmou.

Ela defendeu também maior autoestima do povo brasileiro. Lula disse que o Brasil, hoje, conversa em igualdade de condições com os líderes dos países ricos e ressaltou que sente orgulho pelo fato de o país não depender mais do Fundo Monetário Internacional (FMI). Passei 20 anos da minha vida carregando faixas [com os dizeres] 'Fora, FMI'. E há 15 dias decidimos emprestar US$ 10 bilhões ao FMI, porque uma crise econômica internacional abateu profundamente os países ricos. Todos os países estão numa situação extremamente delicada, afirmou

Emprestamos dinheiro ao FMI para que ele empreste aos países mais pobres sem impor condicionalidades, ressaltou o presidente, enfatizando que o Brasil e a China são os países mais preparados para enfrentar a crise econômica internacional.

O presidente chegou a arriscar um prognóstico quanto recuperação da economia brasileira: Quando chegar o mês que vem, para desgraça de quem não quer que o Brasil dê certo, nossa economia vai crescer acima de 4% e vamos voltar a gerar a quantidade de riqueza de que o país precisa, disse ele. A previsão da equipe econômica é encerrar 2009 com um crescimento de 1% do produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]