i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Justiça

Maluf é acusado de ocultação de cadáveres

MPF pede a responsabilização judicial do deputado pelo desaparecimento dos corpos de ativistas da época da ditadura. O senador Romeu Tuma também foi denunciado

  • PorFolhapress
  • 26/11/2009 21:06
Maluf: ex-prefeito de São Paulo construiu cemitério com ala para “terroristas” | Arquivo/ ABr
Maluf: ex-prefeito de São Paulo construiu cemitério com ala para “terroristas”| Foto: Arquivo/ ABr
  • Romeu Tuma foi chefe do Dops durante o período de 1966 e 1983

São Paulo - O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou ontem duas ações na Justiça Federal pedindo a responsabilização do deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) e do senador Romeu Tuma (PTB-SP) pela ocultação de cadáveres de desaparecidos políticos no período da ditadura militar (1964-1984).

Os corpos teriam sido ocultados nos cemitérios de Perus e Vila Formosa, em São Paulo. De acordo com o Ministério Público, desaparecidos políticos foram sepultados nos dois cemitérios de forma totalmente ilegal e clandestina, com a participação do IML, do Depar­­­tamento Estadual de Ordem Política e Social (Dops) e da prefeitura de São Paulo.

Maluf, por exemplo, foi prefeito de São Paulo de 1969 a 1971.O MPF-SP aponta que ele ordenou a construção do Cemitério de Perus e que determinou a separação de quadras específicas para receber a ossada de "terroristas". Já Tuma foi chefe, entre 1966 e 1983, do De­­­partamento Estadual de Ordem Polí­­­tica e Social (Dops) – órgão da polícia responsável pela repressão de inimigos do regime.

A ação também pede a responsabilização pessoal do ex-prefeito de São Paulo Miguel Colasuonno (1973-1975), do ex-chefe do necrotério Instituto Médico Legal (IML) Harry Shibata e do ex-diretor do serviço funerário municipal Fábio Barreto (1970-1974).

Na ação, o MPF pede que os cinco sejam punidos com a perda das funções públicas ou das aposentadorias. Pede ainda que eles sejam condenados a pagar uma indeniza­­­ção de 10% do patrimônio pessoal.

Na segunda ação civil proposta ontem, o MPF pede a responsabilização das pessoas físicas e jurídicas que contribuíram para que as ossadas de mortos e desaparecidos políticos localizadas no cemitério de Perus permanecessem sem identificação. São demandados na ação a União, o Estado, a Unicamp, a Universidade Federal de Minas Gerais, a Universidade de São Paulo e mais cinco pessoas.

Ridícula

Paulo Maluf chamou de "ridícula" a ação civil publicada ajuizada contra ele. "Depois de 39 anos, abordar de forma leviana um assunto dessa natureza é no mínimo uma acusação ridícula", afirmou ele em nota. Tuma, segundo sua assessoria, ainda não recebeu informações sobre a denúncia e não iria se pronunciar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.