Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empreiteira | Antônio More/Gazeta do Povo/Arquivo
Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empreiteira| Foto: Antônio More/Gazeta do Povo/Arquivo

No primeiro depoimento depois de formalizada a delação premiada de 77 executivos da Odebrecht, o ex-presidente da empresa Marcelo Odebrecht relatou nesta segunda-feira (9) detalhes do esquema de corrupção envolvendo um cartel de empreiteiras com obras na Petrobras. Marcelo falou na própria carceragem da Polícia Federal, onde está preso desde junho de 2015 na operação Erga Omnes, que em latim significa “vale para todos”.

Quatro procuradores da Operação Lava Jato acompanharam o depoimento do empresário. Na saída, já no fim da tarde, Deltan Dellagnol, Carlos Fernando dos Santos Lima, Athaíde Ribeiro Costa e Diogo Castor evitaram dar qualquer detalhe do depoimento. Havia também representantes da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Entenda como a Odebrecht influenciava o Congresso

Leia a matéria completa

A expectativa é que os funcionários da Odebrecht citem os nomes de mais de 100 políticos. O depoimento foi gravado e deve seguir para homologação pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki.

Já condenado pelo juiz Sergio Moro a 19 anos e 4 meses de prisão, o empreiteiro se recusava a colaborar. No entanto, mudou de posição após a delação da secretária da empresa, Maria Lúcia Tavares, que revelou a existência do Setor de Operações Estruturadas, um departamento que tratava do pagamento de propina, segundo a Lava Jato.

Além de Marcelo, seu pai, Emílio Odebrecht, também decidiu fazer colaboração. Nas últimas semanas, a empresa admitiu ter participado do esquema de cartel e fez um pedido público de desculpas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]