i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
pauta

Marco Aurélio cobra inclusão de processo de impeachment de Temer na pauta do STF

Em despacho, o ministro lembrou à presidente do Supremo, Cármen Lúcia, que processo está liberado para ser votado desde maio

    • Agência O Globo
    • 14/12/2016 08:46
    Ministro Marco Aurélio Mello já liberou mandado de segurança para votação em maio. | Carlos Humberto/SCO/STF
    Ministro Marco Aurélio Mello já liberou mandado de segurança para votação em maio.| Foto: Carlos Humberto/SCO/STF

    O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello pediu a inclusão na pauta do plenário do mandado de segurança no qual, por decisão liminar, determinou a abertura de processo de impeachment do presidente Michel Temer na Câmara.

    Em despacho enviado à presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, nesta terça-feira (13), Marco Aurélio informou que desde maio o processo está liberado para ser votado – o que depende de uma decisão da presidente de pautá-lo.

    Marcelo Odebrecht confirma pagamento de R$ 10 milhões a pedido de Temer, diz jornal

    Leia a matéria completa

    A solicitação ocorreu depois de resposta enviada ao Supremo nesta semana pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), sobre a demora em cumprir a liminar que determinou a instalação de uma comissão especial que analisará se há aspectos mínimos para o prosseguimento da denúncia contra Temer.

    Maia pediu que o ministro leve o caso ao plenário devido ao “ônus institucional” acarretado pelo cumprimento da decisão proferida ainda em abril.

    O ministro Marco Aurélio encaminhou cópia da resposta de Maia à Cármen Lúcia, lembrando que já liberou o mandado de segurança para votação desde maio.

    A movimentação ocorre uma semana depois de o ministro ver o plenário derrubar a liminar concedida por ele que determinou o afastamento de Renan Calheiros da presidência do Senado, numa articulação que envolveu Temer, entre outros políticos, e ministros do STF.

    Renan Calheiros articula votação da lei de abuso de autoridade

    Leia a matéria completa

    Marco Aurélio disse ao jornal O Globo que a resposta de Maia revela um “esvaziamento do primado do Judiciário” e mostra que para alguns a decisão judicial singular “não personifica mais o Supremo”. O ministro explicou que liminar no mandado de segurança não cabe referendo do plenário. Dessa forma, o que ele liberou para ser incluído na pauta, desde maio, é o próprio processo.

    O mandado de segurança foi impetrado pelo advogado Mariel Márley Marra, que propôs à Câmara processo de impeachment contra Temer por ter assinado decretos na condição de vice-presidente do mesmo tipo que os editados por Dilma Roussef e que serviram de base para o afastamento dela.

    Senado aprova pacote que limita salários acima do teto constitucional

    Leia a matéria completa

    Sorteado relator, Marco Aurélio deu a liminar por falha formal na condução do processo. O ministro ressaltou na ocasião que não analisou qualquer suposta prova contra Temer e defendeu apenas que o assunto tinha de ser submetido a uma comissão especial.

    O então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, chegou a pedir aos líderes dos partidos para que indicassem os nomes dos deputados que deveriam compor a comissão do impeachment de Temer.

    Como apenas líderes da oposição fizeram as indicações, o colegiado não atingiu o número mínimo para o início dos trabalhos. Passados oito meses da liminar, a Câmara não a cumpriu e, agora, pediu que o caso seja levado ao plenário.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.