i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Farpas

Marqueteiro de Aécio diz que João Santana deu uma ‘surtada’

‘O chá de cogumelo da juventude fez efeito retardado’, ironiza Vasconcelos

  • PorAgência O Globo
  • 23/01/2015 19:18

O publicitário e marqueteiro Paulo Vasconcelos, que atuou nas últimas campanhas do tucano Aécio Neves (MG), respondeu ontem aos ataques do marqueteiro João Santana, que em depoimento ao jornalista Luiz Maklouf para o livro "João Santana: um marqueteiro no poder", disse que ele fizera "uso amador da mediocridade" na campanha do candidato do PSDB. Surpreso com as críticas publicadas no livro, Vasconcelos usou o humor para contra-atacar:

"O João deu uma surtada! O chá de cogumelo da juventude fez efeito retardado. Deve ser o calor. A eleição acabou e a disputa foi entre profissionais, entre CNPJs, não entre pessoas. Como ele pode dizer que nossa campanha foi medíocre? Na nossa atividade de marqueteiro, para o bem e para o mal, a eficiência se mede pelos números, pelo quantitativo. Nesse caso específico, quem mais ganhou votos no segundo turno foi o Aécio. Em apenas duas semanas, com ferramentas e tempos iguais, ganhamos 16 milhões de votos, e ele, com Dilma, ganhou 11 milhões de votos."

Metáfora futebolística

No perfil biográfico que foi lançado ontem, o publicitário de Dilma nega que tenha feito uma campanha agressiva, recorrendo a baixarias. Ao longo da disputa, Santana levou à TV propagandas que diziam que a proposta de Marina Silva, candidata pelo PSB, de independência do Banco Central deixava em risco a comida das famílias e outras que massificavam o discurso de que quem conhecia Aécio Neves não votava nele, em referência à derrota do tucano no primeiro turno em Minas Gerais — que se repetiria no segundo turno.

No livro, o marqueteiro de Dilma Rousseff diz que Paulo Vasconcelos era um "marqueteiro de segunda divisão, que está caindo para a terceira". Usando a mesma metáfora da disputa de futebol, o marqueteiro de Aécio disse que conseguiu levar seu candidato para a final do campeonato e quase ganha o jogo.

"Antes do segundo turno, nós éramos um time da série B jogando no campo adversário, com um terço do tempo e com a torcida contra. Conseguimos levar esse time da segunda divisão para a final do campeonato e perdemos nos pênaltis", respondeu.

Na entrevista a Maklouf, João Santana também ironiza a tática da campanha tucana de não recorrer ao mesmo nível de agressão usado pela campanha petista. Revelou que sua estratégia para bater o adversário de Dilma no segundo turno foi a adoção da ação negativa "em ondas superconcentradas", com a escolha de temas para superbombardeio, com o objetivo de desestabilizar Aécio. E criticou a tática da reação da campanha adversária: "Aécio quis se fazer de vítima e de superior. Chegou a lançar um slogan ridículo e inócuo: a cada ataque, uma proposta".

"A única coisa que o marqueteiro não pode fazer é reescrever a História. Eu não quero levar para a minha biografia uma deselegância de responder ao João no mesmo tom. Os números estão aí. Dizer que fizemos uma campanha medíocre é chamar a maioria dos gaúchos e os 70% dos paulistas que votaram em Aécio de medíocres. Isso é um desrespeito com o eleitor", rebateu Paulo Vasconcelos.

Acusações de nepotismo

Um dos ataques feitos por Dilma a Aécio, foi a acusação de que ele teria praticado nepotismo no seu governo em Minas Gerais, empregando "uma irmã, um tio, três primos e três primas". Em um dos debates, Aécio rebateu dizendo que a irmã Andrea Neves o auxiliava de forma voluntária, sem receber salário e contra-atacou lembrando que o irmão de Dilma, Igor Rousseff, havia sido nomeado pelo então prefeito de Belo Horizonte e amigo Fernando Pimentel para um cargo na administração municipal e não teria trabalhado.

Passada a eleição, o PSDB pediu que o Ministério Público investigasse a denúncia de João Santana e obteve uma certidão atestando que não houve nepotismo nos governos de Aécio Neves em Minas Gerais. O partido divulgou ontem o documento afirmando que não teria sido "identificada situação (de nepotismo) envolvendo familiares do então governador Aécio Neves".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.