i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
lava jato

Ministro do STF nega que Moro tenha investigado Cunha

    • brasília
    • Folhapress Web
    • 20/08/2015 15:18
    Sergio Moro: juiz federal é o responsável pelo comando da Operação Lava Jato. | Pedro Serapio/Gazeta do Povo
    Sergio Moro: juiz federal é o responsável pelo comando da Operação Lava Jato.| Foto: Pedro Serapio/Gazeta do Povo

    Relator dos inquéritos de congressistas alvos da Operação Lava Jato, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki negou que o juiz federal Sergio Moro, do Paraná, tenha usurpado competência do tribunal e investigado o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

    Foi durante um depoimento a Moro que o lobista afirmou publicamente que Cunha teria pedido US$ 5 milhões em propina em recursos desviados de contratos da Petrobras. Após mudar versão inicial apresentada aos investigadores, ele fez a mesma afirmação a Procuradoria Geral da República.

    O Ministério Público Federal vai apresentar denúncia nesta quinta (19) ao STF contra Cunha pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Após o depoimento de Camargo na Justiça do Paraná, Cunha pediu ao Supremo para anular eventuais provas produzidas contra ele sob a condução de Moro e que a ação penal na qual o lobista cita a propina fosse enviada para o STF.

    À espera da denúncia no STF, Cunha aponta acordo para enfraquecê-lo

    Segundo aliados do presidente da Câmara, texto questiona ausência de Renan nas denúncias a serem feitas no Supremo

    Leia a matéria completa

    Ao negar o pedido de Cunha para tirar a ação de Moro, Teori disse que o fato de haver referência a um nome não quer dizer que ele foi investigado. O ministro destacou que houve o desmembramento do processo, permanecendo no STF a investigação em relação ao deputados, e que os fatos são conexos.

    “Não merece prosperar a alegação de que houve investigação direta do reclamante [Cunha] por parte do juízo reclamado [Moro]. A violação de competência implica a realização de medidas investigatórias dirigidas às autoridades sujeitas à prerrogativa de foro e não a simples declaração de réu colaborador, com menção sobre a participação de detentores de foro por prerrogativa de função durante audiência de instrução,” disse.

    Para o ministro, se a tese levantada pela defesa de Cunha prevalecesse, isso poderia engessar o andamento das investigações. “Toda vez que despontasse elemento probatório novo veiculado aos fatos investigados, todos os processos e ações penais em andamento haveriam de retornar ao Supremo Tribunal Federal para novo exame, o que, além de desarrazoado, inviabilizaria, na prática, a persecução penal”, afirmou o ministro.

    “A simples menção do nome do reclamante em depoimento de réu colaborador, durante a instrução, não caracteriza ato de investigação, ainda mais quando houver prévio desmembramento pelo Supremo Tribunal Federal, como ocorreu no caso”, completou.

    O ministro considerou ainda que as perguntas feitas por Moro a Camargo foram “dentro da razoabilidade”.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.