i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
lava jato

Moro dá ‘nova oportunidade’ para Odebrecht explicar relações com doleiro

Documentos revelam os contatos diretos entre Araújo e Freiburghaus, entre 2010 e 2013, e depósitos na Suíça em contas do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa

    • Estadão Conteúdo
    • 07/07/2015 18:20
    Moro alertou que no dia 2 de julho deu prazo para que a Odebrecht e a defesa dos executivos se manifestassem e esclarecessem a suposta relação da empresa com o operador de propinas Freiburghaus | PAULO WHITAKER/REUTERS
    Moro alertou que no dia 2 de julho deu prazo para que a Odebrecht e a defesa dos executivos se manifestassem e esclarecessem a suposta relação da empresa com o operador de propinas Freiburghaus| Foto: PAULO WHITAKER/REUTERS

    O juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações penais da Operação Lava Jato, deu prazo até 13 de julho, segunda-feira próxima, para que a Odebrecht explique qual a relação do doleiro foragido Bernardo Freiburghaus com a empreiteira diante da revelação de que ele manteve 135 contatos telefônicos com Rogério Araújo, diretor da empresa, afastado do cargo depois que foi preso em 19 de junho. Araújo é apontado como um dos responsáveis pelos pagamentos de propinas no esquema de cartel e corrupção na Petrobras.

    Lava Jato aponta propina de Odebrecht também para Cerveró

    “Resolvo a bem da ampla defesa, antes de decidir sobre o novo pedido de prisão preventiva, conceder nova oportunidade à Odebrecht e aos seus executivos”, estabeleceu Moro, em despacho desta terça-feira, 7, em que analisa parecer do Ministério Público Federal pela necessidade de manutenção da custódia preventiva dos executivos e do presidente da empreiteira, Marcelo Bahia Odebrecht.

    Documentos anexados pela força-tarefa da Lava Jato aos autos da investigação na segunda-feira, 6, revelam os contatos diretos entre Araújo e Freiburghaus, entre 2010 e 2013, e depósitos na Suíça em contas do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa (Abastecimento).

    Moro alertou que no dia 2 de julho deu prazo para que a Odebrecht e a defesa dos executivos se manifestassem e esclarecessem a suposta relação da empresa com o operador de propinas Freiburghaus. Segundo o magistrado, porém, a empresa não se manifestou. “Isso ainda não foi feito, muito embora a Odebrecht e a defesa dos executivos tenha inclusive peticionado nos autos sobre outras questões. Resolvo a bem da ampla defesa, antes de decidir sobre o novo pedido de prisão preventiva, conceder nova oportunidade à Odebrecht e aos seus executivos.”

    O juiz da Lava Jato quer que a Odebrecht esclareça não só as transferências apontadas pela Procuradoria da República, supostamente relacionadas à empresa, como também o motivo dos contatos telefônicos entre o executivo Rogério Araújo e o operador de propinas, que reside na Suíça e é dado formalmente como foragido pelo Ministério Público Federal.

    “A Odebrecht nunca admitiu, porém, qualquer relação com Bernardo Freiburghaus, atualmente foragido na Suiça”, assinala o juiz. “Na data de ontem, dia 6, o MPF apresentou nos autos resultado de quebra de sigilo telefônico decretado judicialmente que revela a existência de dezenas de ligações telefônicas entre Bernardo Freiburghaus e Rogério Santos de Araújo, diretor da Odebrecht.”

    Moro observa que a análise realizada pelos procuradores da força-tarefa aponta correlação entre as datas das ligações e as datas dos depósitos efetuados nas contas de Paulo Roberto Costa - este admitiu, em delação premiada, ter recebido na Suíça US$ 23 milhões em propinas da Odebrecht, via Freiburghaus.

    Com base nesses novos dados, a Procuradoria pediu nova decretação da prisão preventiva dos executivos da Odebrecht. No documento entregue nesta segunda, 6, ao juiz, a força-tarefa assinala: “Deste modo, requer o Ministério Público Federal, em face dos novos elementos ora apontados, seja novamente analisada e reforçada a decisão que determinou a prisão preventiva de Rogério Araújo, Marcelo Bahia Odebrecht e Márcio Faria, com suporte no artigo 312 do Código de Processo Penal, eis que a decisão encontra amparo na necessidade de garantir a adequada instrução criminal, além de assegurar a aplicação da lei penal e a própria preservação da ordem econômica, dada a magnitude dos valores envolvidos, além de evitar a reiteração delituosa.”

    A Odebrecht tem nega reiteradamente envolvimento com o esquema de corrupção e cartel na Petrobras. A empreiteira também nega relações com o doleiro foragido Bernardo Freiburghaus e afirma taxativamente que jamais pagou propinas a ex-dirigentes da Petrobras.

    Lava Jato aponta propina de Odebrecht também para Cerveró

    A força-tarefa da Operação Lava Jato suspeita que a Odebrecht pagou propinas também para o ex-diretor da área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, preso desde janeiro deste ano. A informação consta de manifestação do Ministério Público Federal. Em petição, nove procuradores da República reafirmam a necessidade da manutenção do decreto de prisão preventiva de executivos e do presidente Marcelo Bahia Odebrecht, todos da maior empreiteira do País, capturados pela Lava Jato em 19 de junho.

    “A conta Forbal era conta de Nestor Cerveró, o que indica pagamentos da Odebrecht também em favor de Cerveró no exterior”, destacam os procuradores em referência a conta que o ex-diretor mantinha no Uruguai em nome da Forbal Investment Inc.

    A Forbal Investment Inc é uma offshore constituída por Cerveró em 29 de abril de 2008, no paraíso fiscal de Belize, na América Central. Ele havia deixado a função estratégica na estatal um mês antes.

    Cerveró foi condenado a 5 anos de prisão por lavagem de dinheiro e também é acusado de corrupção passiva - ele teria recebido US$ 30 milhões em propinas em contatos de navios-sonda da Petrobras, em 2006 e 2007.

    A suspeita nasceu do rastreamento de uma operação de dólar-cabo feita, segundo a força-tarefa, pelo suposto operador de propinas da Odebrecht Bernardo Freiburghaus no banco Julius Baer, na Suíça, e o estatístico Alexandre Amaral de Moura. Em depoimentos aos procuradores, em 30 de junho, Moura detalhou a transação em que autorizou as transferências de US$ 300 mil para a conta Forbal, de Cerveró, e de US$ 340 mil para a conta Quinus, do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa.

    “As declarações de Alexandre Amaral dão conta de operação de dólar-cabo em que Bernardo Shiller (Freiburghaus) disponibilizou valores em espécie para Alexandre. Este tinha valores no exterior e pretendia trazer para o Brasil. Para operacionalizar essa internação, Alexandre entrou em contato com Bernardo. O último, ao invés de orientar o primeiro a fazer um contrato de câmbio, usou tal operação para dissimular pagamentos de propina da Odebrecht para Paulo Roberto Costa. Assim, Alexandre efetuou um depósito de U$ 340.000,00 a crédito da offshore Quinus Services, mantida por Paulo Roberto Costa no HSBC Private Bank da Suiça, da qual Bernardo era procurador. Esse crédito foi efetuado porque, simultaneamente, a Odebrecht queria remeter recursos para pagar propinas a Paulo Roberto Costa. Em contrapartida, no Brasil, Bernardo coletou recursos disponibilizados em espécie pela Odebrecht e entregou a Alexandre”, informa o Ministério Público Federal.

    Os procuradores, baseados no relato de Moura, destacam ainda: “Esse tipo de operação feita por Bernardo é chamada de operação dólar cabo. Ela se notabilizou no caso Banestado e é um sofisticado método de lavagem de dinheiro usado pela Odebrecht. Trata-se de uma compensação financeira que quebra o rastro dos recursos. Caso alguém seguisse os recursos de Alexandre, no exterior, acabaria na conta de Paulo Roberto Costa, quando na verdade a transferência para este correspondeu a pagamento em espécie no Brasil. Caso alguém seguisse os recursos pagos em espécie no Brasil pela Odebrecht, acabaria chegando a Alexandre, quando na verdade eles eram meio para pagar Paulo Roberto Costa no exterior.”

    O valor depositado na conta Quinus integra a fortuna de US$ 23 milhões em propinas pagas a Paulo Roberto Costa. O ex-diretor confessou o recebimento do dinheiro. Cerveró, oficialmente, sustenta que não tem envolvimento com o esquema de desvios na Petrobras e negou diante do juiz federal Sérgio Moro, que conduz as ações da Lava Jato, ter contas fora do Brasil.

    Nesta segunda-feira, 6, os procuradores entregaram ao juiz Sérgio Moro o resultado do cruzamento de ligações telefônicas entre o diretor da Odebrecht Rogério Araújo, afastado do cargo após ser preso, e o operador de propinas Bernardo Freiburghaus, que está foragido na Suíça. São 135 telefonemas, registrados entre julho de 2010 e fevereiro de 2013 - neste período, a Odebrecht, segundo a força-tarefa, depositou os valores nas contas de Paulo Roberto Costa, na Suíça.

    A Odebrecht tem nega reiteradamente envolvimento com o esquema de corrupção e cartel na Petrobras. A empreiteira também nega relações com o doleiro foragido Bernardo Freiburghaus e afirma taxativamente que jamais pagou propinas a ex-dirigentes da Petrobras.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.