Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. Morre Milton Luiz Pereira, ministro aposentado do STJ

Curitiba

Morre Milton Luiz Pereira, ministro aposentado do STJ

Ele estava internado no Hospital Nossa Senhora das Graças. Horas antes, a esposa dele havia morrido no mesmo local

  • Fernanda Leitóles
  • Atualizado em às
Milton Luiz Pereira formou-se bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná |
Milton Luiz Pereira formou-se bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Morreu na madrugada desta quinta-feira (16), em Curitiba, o ministro aposentado do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Milton Luiz Pereira. Horas antes, Rizoleta Mary Pereira, mulher de Pereira, havia morrido. Ela morreu por volta das 19 horas de quarta-feira (15) e o ministro às 2h20 desta quinta-feira.

Os dois estavam internados na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba, há uma semana, de acordo com familiares. Pereira e Rizoleta tinham câncer no pulmão e morreram em decorrência de complicações da doença.

O velório do casal está marcado para começar por volta das 12h30 desta quinta-feira em uma das capelas do Cemitário Parque Iguaçu, de acordo com informações do Serviço Funerário Municipal e da funerária responsável. Os corpos serão sepultados na sexta-feira, às 10 horas, no mesmo cemitério.

Carreira

O ministro era natural de Itatinga (SP). Ele foi prefeito de Campo Mourão (1964-1967). Pereira formou-se bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná.

Ele foi juiz federal substituto e titular da 2ª Vara da Seção Judiciária do Paraná, juiz do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (1989) e presidente do TRF-3ª Região (1989/1991), de acordo com o STF.

Pereira integrou o Superior Tribunal de Justiça por dez anos, até abril de 1992, quando completou 70 anos. No STJ, passou pela Primeira Turma, a Primeira Seção e a Corte Especial. Ele também foi Coordenador-Geral da Justiça Federal e diretor do Centro de Estudos Judiciários (CEJ).

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE