i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
senado

Oposição promete vitória avassaladora na votação do relatório do impeachment

Relatório de Antonio Anastasia (PMDB-MG) pedindo o afastamento de presidente Dilma Rousseff será votado pelos senadores da comissão do impeachment nesta sexta-feira (6)

  • PorDas agências
  • 05/05/2016 21:19
Oposicionistas devem impor nova derrota do governo, dessa vez no Senado. | Marcos Oliveira/Agência Senado
Oposicionistas devem impor nova derrota do governo, dessa vez no Senado.| Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

A comissão especial do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) no Senado vai votar nesta sexta-feira (6) o relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), que assinalou pela admissibilidade na continuidade do processo.

Em sete dias úteis de trabalho, a comissão parece mais ter “cumprido tabela” dentro do script do impeachment, sem abrir muitas margens para Dilma fugir do procedimento.

O RELATÓRIO: Veja os principais pontos do documento que será votado

PASSO A PASSO: Os próximos capítulos do impeachment de Dilma no Senado

O resultado do roteiro é previsto: votações avassaladoras contra o governo tanto na comissão quanto na apreciação do relatório pelo plenário da Casa, prevista para ocorrer na próxima quarta-feira (11). Em ambos é preciso apenas aprovação de metade dos membros.

Na comissão, a oposição tem o triplo de votos do governo e, em plenário, o voto favorável ao andamento do processo já tem nove adeptos a mais que o necessário.

O clima da comissão do Senado pode ser resumido durante a apresentação do relatório por Anastasia, nesta quarta-feira (4). Entre sorrisos, apertos de mãos e tapinhas nas costas, parlamentares assediaram o senador e pediram para serem fotografados ao seu lado. Tratado como celebridade antes da sessão, o relator posou para selfies com vários parlamentares.

Antes da leitura do parecer, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) reclamou a ausência de Anastasia durante parte dos depoimentos de especialistas da defesa da presidente em uma das sessões anteriores. O presidente da comissão, Raimundo Lira (PMDB-PB) respondeu que “não seria razoável exigir que o relator permanecesse em sua cadeira por 12 horas contínuas”.

Aliados de Temer reconhecem alívio com afastamento de Cunha

Leia a matéria completa

O posicionamento deu início a uma série de discussões. A reunião teve de ser suspensa. “Não posso estar, a todo momento, tratando os senadores como se fossem alunos de uma sala de aula. Portanto, eu tenho que ter um espírito conciliador”, disse Lira.

Mais de uma hora depois do início da sessão, Anastasia começou sua leitura, com os microfones do plenário desligados.

Resistência

Com a iminente “descida da rampa” do Planalto por Dilma, ministros e a cúpula petista, incluindo o ex-presidente Lula, avaliam que ela dificilmente voltará ao cargo depois do afastamento por 180 dias. Em público, porém, todos demonstram disposição para montar um movimento de resistência no Palácio da Alvorada, onde deve ser a sede do “governo paralelo”.

Um decreto do Senado vai estabelecer a estrutura que Dilma poderá usar no período – a intenção é contar com dez a 15 auxiliares. A petista quer que a equipe prepare um portfólio com todos os programas executados pelo governo desde 2014, além de trabalhar em uma ofensiva para defender o mandato em várias frentes, com viagens pelo Brasil e até no exterior.

A maior preocupação do PT, porém, é sobre a situação de Lula depois da denúncia contra ele protocolada pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot no Supremo Tribunal Federal.

Temer é ficha-suja e está inelegível, diz Procuradoria Eleitoral

Leia a matéria completa

A acusação afirma que o esquema de corrupção na Petrobras não teria funcionado sem o ex-presidente. O temor é que Lula acabe como réu ou seja preso, o que inviabilizaria uma candidatura de um dos únicos presidenciáveis do partido atualmente.

Pontos do relatório

Ao contrário do relator da comissão do impeachment na Câmara, deputado Jovair Arantes (PTB-GO), que estendeu seu parecer às citações contra Dilma Rousseff (PT) na Lava Jato, o relator no Senado, Antonio Anastasia (PSDB-MG), focou o documento nas pedaladas fiscais.

Confira os principais pontos do relatório elaborado pelo tucano:

Impeachment: o senador ressaltou que o impeachment não coloca em “xeque” o regime presidencialista: “O impeachment é instrumento excepcional de equilíbrio e não de exceção. Em outras palavras, o impeachment dialoga com a soberania popular, mediante arranjo sábio entre as instâncias políticas e jurídicas do país.”

Golpe e ampla defesa: Anastasia repetiu várias vezes que o processo deu amplo direito de defesa e contraditório à presidente, “com direito à fala por membros de todos os matizes políticos, e com procedimento ditado pela Constituição e pelo Supremo Tribunal Federal.”

Críticas a Dilma: em vários pontos do parecer, ele fez críticas e ironias à presidente, dizendo, por exemplo, que Dilma trabalhava para ter “salvo conduto” para fazer o que quisesse. “Por outro lado, não se cuida de abonar a linha de defesa da senhora chefe do Poder Executivo, que pretende, por estratégia retórica, a ela [Dilma] atribuir um salvo conduto para que transite pela História como a senhora do bem, que paira além da linha dos anjos”, escreveu.

Eduardo Cunha: o relator ainda ironiza o fato de o governo ter apoiado a decisão do então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de delimitar a denúncia a dois pontos: “Houve o recorte substancial dos fatos descritos na denúncia”. Em outro momento, ele deixa claro que a decisão da Câmara a favor do impeachment não foi do “presidente da Câmara”, mas sim um “ato colegiado do Plenário da Câmara dos Deputados”.

Pedaladas fiscais: o senador coloca como pedaladas fiscais as operações de crédito realizadas pelo governo junto a bancos oficiais. E disse que o processo pode ocorrer “sem esperar a votação das contas de 2015” pelo Tribunal de Contas da União ou pelo Congresso.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.