Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. Polícia prende uma das pessoas mais procuradas do Rio de Janeiro

Segurança

Polícia prende uma das pessoas mais procuradas do Rio de Janeiro

Quadrilha preparava-se para invadir uma boca-de-fumo. Entre os traficantes havia seis ex-pára-quedistas do Exército

  • CBN/ Bom Dia Rio/ RJTV/O Globo Online
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Numa ação de inteligência, após três meses de investigação, a polícia evitou a invasão do Morro do Dendê e um banho de sangue na favela na Ilha do Governador, na madrugada desta sexta-feira. A Polícia Militar e a Polícia Civil se anteciparam a bandidos que preparavam a retomada do controle de bocas-de-fumo no morro e prenderam Marcelo Soares de Medeiros, o Marcelo PQD, um dos traficantes mais procurados do Rio de Janeiro e que estava foragido desde janeiro. Com ele foram presas outras seis pessoas.

No bando havia quatro ex-pára-quedistas do Exército e o funcionário do gabinete da deputada Cidinha Campos (PDT) Rony Ribeiro. Segundo a polícia, Rony fazia parte de um grupo conhecido como "Bonde do PQD" e era morador do Dendê. Ele era um dos traficantes que seguia na frente do bando durante invasões por habilidade e conhecimento em manusear armamento pesado. A deputada demitiu Rony assim que soube da notícia. Ele teria trabalhado normalmente nesta quinta-feira, e levado seu filho de quatro anos para o trabalho.

A quadrilha de Marcelo PQD planejava invadir o Dendê e matar o traficante que chefia a venda de drogas no local e que é conhecido como Fernandinho. Para a ação, os bandidos montaram base numa casa na esquina das ruas Boemia e Jaburana, perto da favela. Dali eles aguardariam a chegada de comparsas em carros para a invasão do morro. O bando só não esperava ser surpreendido pelos policiais, que cercaram a casa de madrugada, por volta de 1h.

De dentro da casa, os bandidos informavam ter dois reféns, o que não se confirmou. Entre os presos está o morador da casa, que tinha cedido o espaço aos traficantes para a ação criminosa. As negociações levaram pelo menos seis horas e só foram concluídas às 7h30m, com a rendição dos bandidos. Ás 5h da manhã, alguns parentes dos traficantes foram autorizados a atravessar a barreira policial para ajudar nas negociações. O dia já tinha amanhecido quando uma parente de Marcelo PQD saiu da casa, acompanhada de um delegado e com um telefone celular. Pelo aparelho, o bandido e a mulher dele anunciaram a rendição.

Marcelo PQD: Vou sair, aqui. Vou sair sem arma, vou sair sem nada.

Mulher: Ele tá se entregando, tô saindo do lado dele. Ele tá se entregando, tá sem arma nenhuma.

Logo depois, o grupo de sete homens começou a deixar a casa e a se entregar. Marcelo PQD foi o primeiro a entrar no carro da polícia. Durante toda a operação, homens da Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil (Core) e da PM, com as tropas de elite, como o Batalhão de Operações Especiais (Bope), cercaram todo o quarteirão no bairro Jardim Carioca, onde está a casa usada pelos bandidos.

Os primeiros moradores da vizinhança a acordar, se assustaram com o cerco policial nas ruas.

- Quando eu vi, eu me assustei, levei um susto danado. A gente vive assustado, porque vai trabalhar e não sabe se volta - disse uma senhora.

- Houve um confronto inicial, mas rápido, porque eles não tinham como fugir. Depois veio a negociação, que terminou às 7h30m - informou à Rádio CBN o comandante do 17º Batalhão da Polícia Militar (Ilha do Governador), coronel Célio da Cunha Pedrosa.

PQD saiu da prisão pela porta da frente

Marcelo PQD exigiu que os jornalistas acompanhassem a sua rendição. Os bandidos estavam com cinco fuzis e quatro pistolas, levadas para a Delegacia de Roubo e Furto de Automóveis, na Zona Norte. O diretor do Departamento de Polícia Especializada, Allan Turnowski, chegou a entrar na casa com parentes de Marcelo PQD para negociar a rendição.

A polícia informou que o grupo que estava com PQD é de homens treinados e preparados para ações de confronto. Eles são conhecidos como kamikazes (pilotos suicidas de avião das Forças Armadas do Japão na Segunda Guerra Mundial) e vão na frente do bando nessas ações de invasão e retomada de bocas-de-fumo. Atrás deles vão outros integrantes da quadrilha, menos preparados e menos treinados.

Em entrevista ao RJTV, da TV Globo, Gilberto Ribeiro, chefe Polícia Civil, afirmou que o uso de ex-integrantes das Forças Armadas não siginifica que a polícia precisa se aperfeiçoar para combater as quadrilhas de crime organizado:

- A polícia não precisa de aperfeiçoamento. É evidente que a utilização de ex-integrantes das Forças Armadas representa um problema a mais para a atuação da Polícia civil e da Polícia militar. Mas o treinamento que os nossos policiais recebem é suficiente para minimizar esse tipo de vantagem que, em tese, a criminalidade poderia ter. Tanto isso é verdade que hoje conseguimos prender essa quadrilha, com tantos ex-pára-quedistas.

Marcelo PQD, o chefe do bando, controlava o tráfico no Morro do Dendê, na Ilha do Governador, quando foi preso. Em 2000, ele foi condenado a 11 anos de prisão por porte ilegal de granadas e armas de uso exclusivo das forças armadas. Em janeiro, beneficiado por bom comportamento na prisão, o bandido saiu pela porta da frente do presídio Edgar Costa, para visitar parentes, e não voltou. Desde então preparava a invasão do Dendê, para retomar o controle do tráfico na favela, que antes era dele.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE