i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
crise política

Resposta de Dilma agrada, mas petistas pedem nova subida no tom

“Ela está indignada porque vem sendo desrespeitada seguidamente por opositores”, diz Alberto Cantalice, responsável pelas mídias sociais do PT

    • Estadão Conteúdo Web
    • 07/07/2015 14:17
    Sindicato ligado ao PT protesta contra a oposição em Brasília. | Marcelo Camargo/Agência Brasil
    Sindicato ligado ao PT protesta contra a oposição em Brasília.| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

    A subida de tom da presidente Dilma Rousseff em relação aos rumores sobre impeachment repercutiu bem no PT. Depois que Dilma disse à Folha de S.Paulo que “não vai cair”, o vice-presidente e responsável pela estratégia de mídias sociais do PT, Alberto Cantalice, disse que não é possível prever a repercussão da entrevista na internet, mas gostou do tom da fala.

    Ela está indignada porque vem sendo desrespeitada seguidamente por opositores. Chega um momento em que tem que dar uma resposta”, avalia Cantalice. Ele diz que o partido vai trabalhar o discurso mais duro da presidente em seus canais oficiais para “dar repercussão” à resposta de Dilma. “Nós já vínhamos respondendo [sobre os rumores de impeachment] desde a convenção do PSDB. Na nossa avaliação, [a entrevista] é uma resposta à oposição que insiste em terceiro turno”, diz Cantalice, que é membro da Construindo um Novo Brasil (CNB), maior corrente do partido.

    Alckmin diz que presidente foi ‘infeliz’ em críticas e que ‘fatos decidirão o futuro’

    O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta terça-feira (7) que a presidente Dilma Rousseff (PT) foi “infeliz” ao criticar a oposição e que “os fatos é que decidirão o futuro”

    Leia a matéria completa

    Um texto sobre a entrevista da presidente já foi publicado no site oficial do PT sob o título “Não me aterrorizam, diz Dilma sobre tentativa de golpe”. No Facebook, o texto foi publicado com a legenda “PRESIDENTA FORTE”. O presidente do PT, Rui Falcão, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda não se pronunciaram sobre a entrevista.

    Um dos fundadores da Democracia Socialista, o deputado estadual Raul Pont (RS) diz que a fala de Dilma está “de acordo com o padrão que o PSDB e outros setores oposicionistas estão tentando criar no país”. “É um absurdo uma convenção de um partido que perdeu a eleição dentro do jogo democrático com declarações claramente golpistas”, disse Pont. A Democracia Socialista, aliada à Mensagem ao Partido, é a segunda maior força do PT e tem ministros importantes como José Eduardo Cardozo e Miguel Rossetto.

    Partidos aliados divulgam nota de apoio a Dilma e a Temer

    Após reunião no gabinete da vice-presidência da República, líderes e dirigentes de partidos da base aliada assinaram nota na qual manifestam apoio à presidente Dilma Rousseff e ao vice-presidente Michel Temer.

    Leia a matéria completa

    Pont lamentou, porém, que a subida no tom não seja acompanhada de um movimento de imposição do governo perante o PMDB. Pont participa de um movimento de setores petistas que quer promover mudanças no PT para que o partido dê uma guinada à esquerda. “Reconheço que a presidenta quer manter alguma governabilidade, mas é esquizofrênica a relação que o PMDB tem, através do Eduardo Cunha, com o governo”, disse Pont ao comentar a declaração da presidente de que o PMDB “não quer” tirá-la do poder.

    “Se [o vice-presidente Michel] Temer e [o ministro Eliseu] Padilha querem estar no grupo político, e é legítimo que estejam, tem de haver contrapartida. Tem de mostrar que PMDB controla seus eleitos”, cobrou Pont, que chamou de “incoerente” a postura dos peemedebistas.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.