i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
investigação

Segundo Sergio Moro, Lava Jato não é suficiente para acabar com corrupção

    • Agência O Globo
    • 20/08/2015 16:50

    O juiz federal Sergio Moro se mostrou cético com os efeitos da Operação Lava Jato sobre a corrupção no país. Segundo ele, investigações de grande repercussão, como o mensalão e o próprio esquema na Petrobras, não resolvem o problema por si só. Moro participou de debate sobre combate à corrupção em São Paulo na tarde desta quinta-feira (20).

    Janot pede à CPI da Petrobras acesso ao relatório de investigação da Kroll

    Leia a matéria completa

    “Fico me perguntando se, por vezes, estamos adotando uma posição muito cômoda em acreditar que casos como esse (Lava Jato) são uma solução (para combater a corrupção no país)”, afirmou Moro.

    Para reforçar a tese, o juiz citou a Operação Mãos Limpas, que combateu a corrupção na Itália nos anos 90. O juiz afirmou que a sensação de punibilidade não aumentou na população italiana e brincou ao lembrar o número de prisões preventivas feita pela Promotoria de Milão, que conduziu as principais ações na Justiça italiana. Lá, mais de 800 pessoas foram presas.

    “Quando me criticam por cada prisão preventiva penso nisso (nas prisões feitas na Itália).”

    O juiz foi um dos debatedores do V Simpósio de Direito Empresarial e participou da mesa sobre “O combate à corrupção empresarial no direito brasileiro” que contou com a participação do presidente da comissão de ética da Presidência da República, Américo Lacombe.

    Lacombe levantou a questão sobre as punições às empresas. Ele defendeu a culpabilidade dos executivos e a multa às empresas, mas sem inviabilizar o negócio.

    “Será que temos que destruir e acabar com essas empresas? Não sei. Eu acho que não.”

    Moro defendeu, ainda, uma mudança na cultura das empresas como instrumento dos setores privados em combater a corrupção. Ele também criticou a morosidade do sistema Judiciário brasileiro.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.