i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
investigação

Sessão da CPI da Petrobras é marcada por bate-boca

    • Estadão Conteúdo Web
    • 20/08/2015 12:57
    Deputados durante a CPI da Petrobras: xingamentos e confusão. | Luis Macedo / Câmara dos Deputados
    Deputados durante a CPI da Petrobras: xingamentos e confusão.| Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados

    O presidente da CPI da Petrobras, Hugo Motta (PMDB-RJ), disse na manhã desta quinta-feira (20) que não mudará a programação das investigações por conta da possível denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). “A CPI não pode mudar seu rito porque a denúncia foi feita hoje [quinta]”, afirmou.

    A sessão dessa manhã tem sido marcada por bate-boca entre os membros por conta do andamento dos trabalhos e das acusações de que há blindagem na comissão.

    Motta rebateu a afirmação do deputado Altineu Côrtes (PR-RJ) de que a CPI será acusada de prevaricação por não avançar nas investigações do esquema de corrupção na Petrobras e não trazer na comissão os principais personagens da Operação Lava Jato. “Não admito que se diga que a CPI está prevaricando. Estamos imunes a esse tipo de provocação”, disse.

    Diante da resposta, Altineu recuou. “Talvez tenha feito essa colocação de forma equivocada, talvez eu tenha agido no calor das emoções”, declarou o deputado do PR.

    O clima na comissão esquentou quando o deputado Ivan Valente (PSol-SP) insistiu para que a CPI ouça mais uma vez Cunha. “Não é mais possível fazer cara de paisagem ao que está acontecendo”, enfatizou. “Toda sessão é essa mesma lenga-lenga”, ironizou o deputado Celso Pansera (PMDB-RJ).

    Motta afirmou que a agenda da comissão não pode ser feita ao “bel prazer” de Valente. “A pauta do CPI não pode ser para Vossa Excelência um instrumento de prazer”, disse. O presidente da CPI anunciou ida dos membros a Curitiba no dia 31 deste mês para ouvir os investigados presos e uma agenda de viagens ao Canadá e Estados Unidos.

    O líder do PSC, André Moura (SE), alfinetou Valente e disse que se o colega tem vergonha da CPI, deveria deixar os trabalhos. “O senhor é um falso paladino da moralidade. O senhor quer aparecer, quer mídia, deveria estar no picadeiro, que é seu lugar”.

    Apesar de Moura ser um dos principais aliados de Cunha, coube ao deputado João Carlos Bacelar (PR-BA) reclamar da tentativa de precipitação da condenação do peemedebista. “Ivan Valente parece um disco arranhado”, atacou.

    Carlos Marun (PMDB-MS) também saiu em defesa do presidente da Câmara e reclamou das manifestações que pedem o “Fora Cunha”. “O [Alberto] Youssef citou Cunha, mas também citou a presidente Dilma Rousseff”, observou.

    Apenas a deputada Eliziane Gama (PPS-MA) concordou com as reclamações de Valente, que critica a falta de foco nos trabalhos da comissão. “A CPI não tem feito o que está no seu objeto principal. Estamos remando no marasmo”, concluiu.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.