i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
lava jato

Sócio de sítio usado por Lula pede para ser ouvido, mas não abre sigilo

Ao contrário do outro sócio, Jonas Suassuna, Fernando Bittar vai presentar apenas notas fiscais e cheques relativos ao sítio

    • Agência O Globo
    • 16/02/2016 15:16

    O empresário Fernando Bittar, dono do sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), frequentado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, se colocou à disposição da Lava Jato para prestar esclarecimentos, mas, segundo seus advogados, não vai abrir mão dos sigilos fiscais, bancários e telefônicos. O criminalista Alberto Toron, contudo, disse que vai apresentar notas fiscais e cheques relativos ao sítio que provam que Bittar é o dono da propriedade.

    “Bittar está à disposição da Polícia Federal para prestar os esclarecimentos necessários. Meu cliente entregará documentos e notas fiscais necessários para esclarecer as polêmicas infundadas sobre sua propriedade”, afirmou Toron.

    O Ministério Público de São Paulo e a Lava Jato investigam se empreiteiras fizeram obras no sítio Santa Bárbara em favor do ex-presidente Lula. A propriedade é composta por dois lotes: um do empresário Jonas Suassuna, sócio de Bittar que na segunda-feira abriu seus sigilos à Lava Jato. o outro, onde ocorreram as intervenções, pertence a Bittar. Os dois empresários são sócios de Fábio Luiz Lula da Silva, o Lulinha, filho do ex-presidente.

    Segundo a força-tarefa, a empreiteira OAS pagou pelas cozinhas planejadas instaladas pela empresa Kitchens no sítio de Atibaia e no tríplex do edifício Solaris, no Guarujá (SP), que pertenceu a Lula. O pagamento foi feito em dinheiro pelo ex-executivo da construtora Paulo Gordilho em março de 2014. A nota fiscal, de R$ 28 mil, foi emitida em nome de Fernando Bittar. Além da cozinha, foram entregues no sítio um refrigerador de R$ 9,7 mil, uma lava-louças de R$ 9,1 mil, um forno elétrico de R$ 10,1 mil e uma bancada de R$ 43 mil, totalizando R$ 130 mil.

    A Lava Jato também apura se a construtora Odebrecht participou da reforma na propriedade, como contou uma dona de uma loja de material de construção de Atibaia. Após as obras, o sítio ganhou quatro novas suítes.

    Ainda não há data para o depoimento do empresário.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.