Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. Takayama diz que crimes contra homossexuais ocorrem por causa de “briguinhas íntimas”

homofobia

Takayama diz que crimes contra homossexuais ocorrem por causa de “briguinhas íntimas”

  • Chico Marés
Deputado também comparou casamento entre pessoas do mesmo sexo à zoofilia. | Andre Rodrigues /
Gazeta do Povo
Deputado também comparou casamento entre pessoas do mesmo sexo à zoofilia. Andre Rodrigues / Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O deputado federal Hidekazu Takayama (PSC-PR) declarou, durante sessão da comissão especial que votou o estatuto da família, que os próprios homossexuais são responsáveis pelos dos crimes de homofobia, em “briguinhas íntimas”. O deputado, que é pastor da Assembleia de Deus, também comparou o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo à relação afetiva entre seres humanos e animais.

“Eu desafio qualquer jornalista investigativo a descobrir, dos quase 4 mil casos de assassinatos de homossexuais, quantos foram praticados por católicos ou evangélicos? Nenhum. Então quem deveria ir para a cadeia são os homossexuais. Eles é que nas briguinhas íntimas cometem os crimes”, declarou o deputado. “Se continuar com esse tipo de argumento que dois homens e duas mulheres formam uma família, daqui a pouco vai ter homem com vaca e vai virar avacalhação”, concluiu.

Pelo projeto de lei que cria o estatuto da família, aprovado na comissão por 17 votos a 5, a definição de família é restrita a casais heterossexuais – ignorando tanto casais homossexuais como mães ou pais solteiros. Apesar de não implicar na proibição do casamento entre pessoas do mesmo sexo, liberado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) desde 2013, o projeto pode ter importância na definição de políticas públicas para a família. O projeto segue para votação no Senado.

Takayama participou da discussão mas não era participante da comissão – cujo relator era outro paranaense, Diego Garcia (PHS-PR), ligado ao movimento católico Renovação Carismática. A reportagem tentou entrar em contato com Takayama para explicar as declarações, que não possuem qualquer embasamento estatístico, mas não teve sucesso.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE