Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

Esplanada

Verba do Trabalho beneficia central ligada a ministro

  • Agência Estado
 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

No comando do rateio de recursos milionários do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, abrigou parte da cúpula do seu partido, o PDT, na pasta. E ainda encontrou brechas para turbinar centrais sindicais (uma delas ligadas à legenda), mesmo impedidas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) de receber dinheiro público devido a irregularidades no passado. Só neste ano, entidades vinculadas a essas centrais já receberam R$ 11 milhões.

Sucessor de Leonel Brizola na presidência do PDT, Lupi chegou ao ministério em 2007, após perder a disputa para governar o Rio de Janeiro e por ter apoiado a reeleição de Lula. Ele tirou licença do comando do PDT para assumir o ministério, mas continuou mandando no partido.

No mesmo ano em que assumiu o ministério, Lupi abriu caminho para o repasse de verbas do FAT a centrais sindicais, por meio de convênios com sindicatos ligados a elas. Essa centrais estão proibidas pelo TCU de receber dinheiro público por fraudes e irregularidades na prestação de contas. A justificativa foi “a necessidade de novos parceiros” para cuidar da intermediação de ofertas de emprego nas cidades de São Paulo e do Rio.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos, ligada à Força Sindical, tomou a liderança do repasse de verbas do ministério para agências de emprego. O convênio em curso soma R$ 46,4 milhões. E a confederação é comandada por Mônica de Oliveira Lourenço Veloso, que também é diretora da Força. A central sindical é presidida por Paulo Pereira da Silva, deputado federal pelo PDT.

A brecha também resultou na contratação do Sindicato dos Alfaiates, Costureiras e Traba­­­lhadores da Confecção do Rio. A entidade usou parte do convênio de R$ 6 milhões para reformar e mobiliar sua sede. E reativou um Centro de Aten­­dimento ao Trabalhador.

O sindicato é filiado à União Geral dos Trabalhadores (UGT). “Isso dá visibilidade às centrais”, admite o deputado Roberto San­­tiago (PV-SP), vice-presidente da UGT, que intermediou o convênio. “Fiquei intercedendo junto ao Lupi, deu trabalho.”

Além de conseguir repassar recursos de forma indireta para a central ligada ao PDT, o ministro também “aparelhou” a cú­­­pula do Trabalho. Ele mantém dez integrantes da Executiva do PDT em postos de comando do ministério e um outro na Fundacentro, instituição ligada à pasta que recebeu neste ano R$ 45,7 milhões. “Todos são filiados ao PDT, o que pesou, sim, para suas nomeações”, confirmou o ministro. “Reitero que todos os seus cargos são de livre provimento.”

Sobre as entidades que receberam dinheiro, Lupi alega que a escolha delas obedeceu a um “edital de chamada pública de parceria” com ampla divulgação no Diário Oficial.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE