Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Vida Pública
  3. Youssef ficará preso por três anos em regime fechado

Lava Jato

Youssef ficará preso por três anos em regime fechado

Medida faz parte do acordo de delação premiada homologado nesta sexta pelo ministro Teori Zavaski, do STF

  • Amanda Audi
Youssef: cem horas de depoimentos à Polícia Federal |
Youssef: cem horas de depoimentos à Polícia Federal
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O doleiro Alberto Youssef ficará preso em regime fechado por três anos. A medida faz parte do acordo de delação premiada firmado com o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF), e que foi homologado nesta sexta-feira (19) pelo ministro Teori Zavaski, do Supremo Tribunal Federal (STF), segundo apurou a Gazeta do Povo.

Pelo acordo, Youssef também se comprometeu a devolver R$ 55 milhões e deverá pagar uma multa. Ele detalhou o esquema de corrupção na Petrobras e apontou envolvidos em troca de redução de pena. Se não tivesse fechado a delação, o doleiro poderia ser condenado a até 100 anos de prisão, somando as possíveis penas de mais de uma dezena de processos.

Os três anos de detenção deverão englobar as penalidades aplicadas às ações relacionadas à Operação Lava Jato e também ao Caso Banestado – no qual o doleiro foi condenado este ano a quatro anos de prisão por ter quebrado o acordo de delação que havia fechado em 2004.

Youssef não poderá cumprir prisão domiciliar, como foi permitido ao ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa logo após a homologação de seu acordo de delação pelo STF, em outubro. No caso de Costa, o acordo prevê cumprimento de dois anos em regime semiaberto em caso de condenação.

Desde março deste ano Youssef está detido na sede da PF em Curitiba. Após a homologação do acordo, ele poderá ser transferido a outra unidade prisional. Ainda não houve definição.

Além de homologar a delação de Youssef, o ministro Teori Zavascki também acolheu a solicitação do procurador-geral da República Rodrigo Janot de “desmembrar” os depoimentos do doleiro e de Costa. Agora os procuradores irão cruzar os dados das declarações e reunir provas. Então os processos serão divididos. Aqueles que envolvem pessoas com foro privilegiado ficarão no STF ou para o Superior Tribunal de Justiça (STJ). Os demais serão remetidos à Justiça Federal do Paraná, em Curitiba.

Como o recesso do Judiciário começa neste sábado (20), inquéritos e denúncias envolvendo políticos ficarão para 2015. A Justiça Federal funcionará nos próximos dias apenas em esquema de plantão, para assuntos urgentes.

O advogado de Youssef, Antonio Figueiredo Basto, não foi localizado nesta sexta.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE